Mar de água doce

Mar de água doce

Alter do Chão é conhecido como o Caribe brasileiro. Com paisagem inigualável, os rios são um convite permanente a um banho de frescor e formam ilhas com areia branquíssima

Luíza Figueiredo*
postado em 10/10/2018 00:00
 (foto: Luíza Figueiredo)
(foto: Luíza Figueiredo)




Não é preciso água salgada para formar uma praia com mar. A comunidade de Alter do Chão, acostumada com os termômetros da cidade, que marcam aproximadamente 35;C às 16h da tarde, pode se refrescar nas doces águas cristalinas do Rio Tapajós. O lugar é conhecido como o ;Caribe brasileiro;. O azul substituído pela transparência das águas, que oferecem um fescor inigualável. A paisagem é deslumbrante.

Os visitantes podem conhecer a Ilha do Amor, famosa na reguião. As areias brancas sobressaem em meio às águas. No local, há barracas com estrutura confortável para os turistas passarem o dia. A travessia pode ser feita a nado ou em pequenos barcos a remo.

Quem decidir avançar no passeio e quiser desbravar outros pontos, é possível contratar um barco ou lancha e ir do outro lado da ilha e visitar o Igarapé Caranazal, com águas esverdeadas e plantas que ficam submersas. Bem próximo, na Ponta do Cururu, o pôr do sol faz arrepiar e o banho no rio de águas rasas é praticamente obrigatório.





Gastronomia
Uma coisa é certa, quem visita Santarém não consegue esquecê-la. Um dos fatores que contribuem para isso é a culinária. A variedade de alimentos revela as infinitas utilidades da mandioca ; da folha à raiz, tudo se aproveita. Faz-se a goma de tapioca, farinha, bolo, tucupi (sumo extraído da mandioca brava, que é fervido durante horas para retirar o veneno), usado no tempero de carnes, maniçoba (folhas da mandioca fervidas por sete dias temperadas com alho, sal e louro) e até bebida alcoólica. A gastronomia paraense consegue reunir os sabores e as delícias de diferentes localidades e preparos em pratos simples e sofisticados, ao gosto do visitante.




Onde comer

Casa do Saulo ;
Localizado na comunidade de Carapanari, às margens do Rio Tapajós, é possível contemplar a natureza e banhar-se no rio. O ambiente é rústico e aconchegante, os pratos ressaltam os sabores regionais, 90% dos produtos são oriundos da agricultura familiar. O prato mais pedido da casa é o peixe À Casa do Saulo, com filé de pirarucu, creme de castanha-do-Pará, banana-da-terra grelhada e camarão.

Restaurante Piracema ; Próximo ao centro da cidade, o lugar com decoração rústica tem cardápio com as ricas especiarias da culinária paranaense. As proteínas da casa são o filhote, tambaqui e o pirarucu.

Boto Sorveteria Artesanal ;
Longe dos sabores tradicionais, a sorveteria tem como diferencial um amplo cardápio com as especiarias da região. É possível (ou melhor, é impossível) escolher entre sorvete de tapioca, de castanha-de-caju, taperebá (fruta cítrica) ou cumaru (semente da família das leguminosas). A casquinha é feita de açaí. Quase um pecado!










Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação