Visto, lido e ouvido

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

Circe Cunha (interina) circecunha.df@dabr.com.br
postado em 18/10/2018 00:00
Remuneração dos professores como base de teto salarial

Para acabar com a vergonhosa posição que o Brasil ostenta, perante mais de uma centena de nações, de ser o campeão mundial da desigualdade, vários caminhos são possíveis. Até agora, foram tentados apenas os mais fáceis e que trazem respostas mais imediatas e que se adaptam às necessidades eleitoreiras de políticos de várias matrizes ideológicas. O problema dos caminhos fáceis é que eles só conduzem até um certo trecho da jornada, ficando o restante da estrada bloqueada pela falta de planejamento e empenho a longo prazo.

Todas as nações que compreenderam que a educação é o melhor caminho para minorar as desigualdades sociais e econômicas descobriram, logo cedo, que essa é estratégia que, para obter êxito, precisa ser implementada por um longo período, sem risco de descontinuidade ou mudança de rota, seja quem for o governante de plantão. Não é por outra razão que programas como o Bolsa Família e outros do gênero, mesmo considerando a urgência e a necessidade num país carente como o nosso, empurram o problema da má distribuição de renda e da desigualdade rumo ao beco sem saída das soluções paliativas e inconclusivas.

O prolongamento ad aeternum de programas com essa abrangência que envolvem recursos a fundo perdido resolvem questões básicas do dia a dia, mas deixam em aberto a solução de tão enorme questão. Obviamente, a essa altura dos acontecimentos, com milhões de brasileiros desempregados e com os indicadores crescentes de miséria, não se pode cogitar, simplesmente, encerramento dessa ajuda assistencial.

Questões que envolvem educação se tornaram hoje prioridade máxima para a maioria dos países do globo e por uma razão básica: o referencial de riqueza de uma nação é dado pela qualidade da educação de sua população na geração de conhecimento e de tecnologia. Países ricos são aqueles que produzem ciência e soluções técnicas para o mundo moderno. Mais do que petróleo, ouro ou grãos, é na educação de qualidade que estão os caminhos que afastam uma nação da miséria e do subdesenvolvimento.

Nesse caso, para aqueles candidatos que cogitam e anunciam reformas na Constituição, uma boa medida, como primeiro passo nessa longa jornada, seria a mudança do artigo 37 da Constituição, principalmente no inciso XI, que diz: ;A lei fixará o limite máximo e a relação de valores entre a maior e a menor remuneração dos servidores públicos, observados, como limites máximos e no âmbito dos respectivos poderes, os valores percebidos como remuneração, em espécie, a qualquer título, por membros do Congresso Nacional, ministros de Estado e ministros do Supremo Tribunal Federal e seus correspondentes nos estados, no Distrito Federal e nos territórios, e, nos municípios, os valores percebidos como remuneração, em espécie, pelo prefeito; .

Nesse ponto, bastaria estabelecer, como limite máximo remuneratório dos servidores públicos, equidade com o salário de professor universitário em fim de carreira e com dedicação exclusiva. O mesmo valendo para pesquisadores e cientistas de alto nível. Com isso, a carreira do magistério e das ciências voltaria a ter o antigo prestígio perdido, atraindo para essa profissão fundamental os jovens talentosos do país. Quando for estabelecido que a profissão do magistério será o topo da carreira pública que possa ser alacançada por qualquer brasileiro ou naturalizado, estaremos aplainando os caminhos rumo ao desenvolvimento e ao fim das desigualdades históricas.




A frase que foi pronunciada

;Existe fake news mais prejudicial do que levantamentos eleitorais realizados por conhecidos institutos de pesquisa horas antes das eleições?;
Jornalista Cláudio Humberto




Estelionato
; Enfim o poder público tomou uma atitude em relação a ação criminosa dos quiosques que oferecem brindes em aeroportos. Depois de 250 denúncias, Ministério Público e Procon proibiram quiosques que vendam produtos da editora Escala. Outros estelionatários pregam o mesmo golpe em universidades, abertamente, com autorização do administrativo das instituições. Este é o próximo passo.


RDD
; Que venham os presos. Inaugurada a penitenciária de Brasília com 12,3 mil m; de área construída.


Bravíssimo
; Que ideia genial contar a história de Brasília por meio da dança. Amanhã, Candangus-Dança e Concreto falará da construção da capital pelo hip-hop. O grupo é o Street Jam Cia de Dança. Dias: amanhã, 20 e 21, às 19h, na Funarte (Teatro Plínio Marcos). Entrada: 1kg de alimento.




História de Brasília
As viagens do presidente da República e do primeiro-ministro provocaram o desencontro das autoridades, e, por isso, somente anteontem foi assinado o ato de remoção do sr. Sette Câmara. (Publicado em 2/11/1961)





Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação