Atirador mata 19 em escola

Atirador mata 19 em escola

Estudante de 18 anos invade Colégio Politécnico de Kerch, dispara contra colegas e funcionários, detona bomba artesanal e comete suicídio. Pelo menos 40 pessoas ficaram feridas. Primeiro-ministro da península anexada pela Rússia descarta ataque terrorista

postado em 18/10/2018 00:00
 (foto: AFP
)
(foto: AFP )


Vladislav Rosliakov, 18 anos, não tinha antecedentes criminais, estudava no quarto ano do Colégio Politécnico de Kerch, na Crimeia (península ucraniana anexada pela Rússia em 2014) e carregava um fuzil quando entrou na escola, no início da tarde de ontem. O jovem disparou a arma a esmo, antes de detonar um artefato explosivo improvisado, no interior do refeitório do estabelecimento de ensino secundário. Até o fechamento desta edição, o massacre tinha deixado 19 mortos e 40 feridos. ;O autor do ataque cometeu suicídio. Seu cadáver foi encontrado na biblioteca;, declarou à rede de televisão Rossiya 24 o primeiro-ministro da Crimeia, Serguei Aksionov. De acordo com o Comitê de Investigação russo, todas as vítimas morreram em decorrência dos tiros.

Imagens de câmeras de segurança mostraram o momento em que Rosliakov, de cabelo curto e vestindo camisa branca e calça preta, entrou no estabelecimento. A motivação do massacre é um mistério. Aksionov comentou que o agressor era beneficiado com uma bolsa de estudos e jamais havia emitido sinais de agressividade no colégio. Em um primeiro momento, o incidente foi tratado como uma explosão de gás; depois, um possível ataque terrorista, antes de nova reclassificação. ;Não foi um ato terrorista (...) foi um assassinato em massa, obra de um único indivíduo;, afirmou Aksyonov. O artefato explosivo acionado por Rosliakov estava recheado de objetos metálicos ; uma forma de potencializar os danos.

As primeiras imagens da televisão mostraram as equipes de resgate levando as vítimas para ambulâncias improvisadas. ;As vítimas são transportadas em veículos comuns, em ônibus e ambulâncias. São crianças e trabalhadores;, disse um homem coberto de sangue a um canal de TV local. A testemunha também citou disparos. ;Ouvi tiros no primeiro andar. Todos corremos para o corredor, onde as pessoas corriam e gritavam que um homem com uma metralhadora disparava contra todos;, relatou um estudante do estabelecimento, sob a condição de anonimato. ;Então houve uma grande explosão, mas, felizmente, eu já estava fora. Vi como a explosão quebrou as janelas;, acrescentou. De acordo com ele, não havia macas suficientes.

Putin
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ofereceu suas condolências aos familiares das vítimas, por meio de um comunicado. ;Há algumas horas, ocorreu um evento trágico em Kerch. Pessoas morreram e outras ficaram feridas. Apresento minhas condolências às famílias das vítimas;, declarou Putin, que se encontrava no balneário turístico de Sochi, às margens do Mar Negro, onde recebeu o colega egípcio Abdel Fattah Al-Sisi.

O premiê Aksionov decretou luto de três dias na península e instou a população de 147 mil habitantes a doarem sangue para os feridos. O Ministério das Situações de Emergência declarou estado de emergência em Kerch e anunciou, por meio do Twitter, o envio de três helicópteros com equipes médicas, assim como um avião. As Forças Armadas da Rússia, citadas pelas agências de notícias locais, transferiram 200 militares para a região. A imprensa da Crimeia divulgou imagens de blindados e de soldados nos arredores de Kerch.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação