Aumentam casos de doença rara que causa paralisia

Aumentam casos de doença rara que causa paralisia

postado em 18/10/2018 00:00
 (foto: 
CDC/Divulgação)
(foto: CDC/Divulgação)

Autoridades americanas emitiram, ontem, um alerta sobre o aumento de casos da paralisia flácida aguda (PFA) no país. Apesar de ser considerada uma enfermidade rara, os especialistas acreditam que um cuidado é necessário, até pela suspeita de que ela possa ser causada por um vírus, o que facilita a sua disseminação. O problema de saúde provoca paralisia, de forma semelhante à poliomelite, e atinge principalmente crianças. Desde 2014, foram confirmados 386 casos, dos quais 90% em menores de 18 anos.

Depois de picos semelhantes em 2014 e 2016, na mesma época do ano, a PFA atingiu uma dúzia de pessoas entre agosto e setembro, no fim do verão, de acordo com um relatório divulgado na última terça-feira pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, em inglês), órgão vinculado ao governo americano que controla epidemias e intervém para contê-las no país.Uma criança com PFA morreu no ano passado. Algumas vítimas se curaram rapidamente, enquanto muitas outras permanecem com os braços e as pernas paralisados.

Neste ano, 62 casos foram confirmados, um número comparável ao de 2014 e 2016, mas outras dezenas de suspeitas estão sendo estudadas. A doença, que não tem tratamento específico, afeta o sistema nervoso, especificamente a medula espinhal. Quando surge, os pacientes têm em média quatro anos. ;É um mistério;, relatou a Agência France-Presse (AFP) de notícias Nancy Messonnier, diretora do Centro Nacional de Vacinação e Doenças Respiratórias do CDC.

A origem da doença é enigmática. Há a suspeita de que a PFA seja causada por um enterovírus ou rinovírus, mas esses micro-organismos só foram encontrados em alguns pacientes. A geografia também não parece ser um fator influenciável, já que os casos confirmados estão distribuídos em 22 dos 50 estados americanos.

;Não sabemos quais são os fatores de risco para desenvolver a PFA ou suas causas. Também não entendemos as consequências a longo prazo dela;, detalhou Messonnier. Segundo a especialista, já se sabe que uma em cada milhão de pessoas nos Estados Unidos é infectada anualmente, um cenário que não demanda alardes. ;Os pais devem saber que a PFA é muito rara, mesmo com o aumento atual do número de casos;, justificou.


;É um mistério (;) Não sabemos quais são os fatores de risco para desenvolver a PFA (paralisia flácida aguda) ou as suas causas. Também não entendemos as consequências a longo prazo dela;


Nancy Messonnier, diretora do Centro Nacional de Vacinação e Doenças Respiratórias dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação