Candidatos exploram propostas

Candidatos exploram propostas

Renato Souza
postado em 21/10/2018 00:00
Faltando uma semana para o segundo turno das eleições, os dois candidatos à Presidência priorizaram a apresentação de propostas para um eventual governo. O candidato Jair Bolsonaro (PSL) detalhou ontem o plano econômico que pretende colocar em ação nos primeiros meses de uma eventual gestão ao assumir o cargo de chefe do Executivo. Ele não descartou que o atual presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, seja mantido no posto. Fernando Haddad priorizou o corpo a corpo no Ceará, e falou em dar continuidade às obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Pela manhã, Bolsonaro gravou entrevistas com emissoras de rádio e televisão. Questionado sobre suas prioridades ao assumir o comando do país, disse que o primeiro ato oficial será a nomeação de sua equipe, incluindo ministros e gestores de órgãos públicos. Afirmou que pode manter integrantes da equipe do presidente Michel Temer. ;Não sei se ele (Ilan Goldfajn) será mantido. O que está dando certo tem que continuar. Não vou dizer que tudo está errado no governo Temer. Tem muita coisa errada no governo dele;, afirmou o candidato. O candidato disse também que está quase certa a decisão de empossar o astronauta Marcos Pontes, primeiro brasileiro a ir ao espaço, para o Ministério da Ciência e Tecnologia.

O deputado disse ainda que vai priorizar relações bilaterais, sem ;viés ideológico;, com países vizinhos, destacando que conversou com o presidente do Paraguai, Mario Benítez, e da Argentina, Mauricio Macri. Ele também condenou o assassinato do jornalista do Washington Post Jamal Khashoggi no consulado da Arábia Saudita, em Istambul, na Turquia e chamou o ato de ;absurdo;.

Em visita a Fortaleza, onde foi acompanhado por uma multidão, Fernando Haddad prometeu dar continuidade à rodovia Transnordestina, para criar empregos e movimentar a economia. ;Nós temos que terminar a Transnordestina, que está parada, que vai beneficiar o Piauí, o Maranhão, Pernambuco. Temos que gerar emprego com a retomada de obras;, afirmou. Ao contrário de Bolsonaro, ele disse que não vai aproveitar nenhum integrante da cúpula do governo atual. ;Para mim, quem aceitou colaborar com o governo Temer aceitou colaborar com um governo ilegítimo, com uma agenda antissocial. Não pretendo aproveitar o alto escalão do governo Temer;, disse.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação