Um desafio global e também científico

Um desafio global e também científico

postado em 21/10/2018 00:00
O cenário internacional extremamente repleto de crises é um campo propício para o estímulo a um comportamento altruísta entre as pessoas de todas as idades, ressaltam especialistas. ;Eu acho que lidar com os atuais desafios globais, como reduzir as alterações climáticas e ajudar os refugiados a viver em segurança e dignidade, exige que as pessoas não dependam apenas de decisões políticas. Nós todos fazemos o mundo. E o mundo só vai se tornar um lugar melhor se começarmos a cuidar um do outro e não apenas de nós mesmos;, defende Anne B;ckler-Raettig, líder do estudo que relaciona altruísmo e meditação.

A psicóloga Kenia Mickessia de Amorim Oliveira chama a atenção para o fato da falta de atitudes humanitaristas em situações cotidianas, como parabenizar um conhecido pela data de aniversário. ;Isso se tornou algo mais frio, feito por mensagem ou por e-mail. No consultório, vejo muito isso, pessoas carentes desse contato;, relata. ;Acredito que, por ter muitas informações disponíveis, as pessoas não valorizam o outro, fica tudo muito efêmero e perdemos a capacidade de ter empatia. Vemos muito isso nas relações pessoais, quando o que eu quero do outro não me satisfaz mais, facilmente posso partir para outra.;

Dentro do cérebro

Para a neuropsicóloga Marcela Patrícia de Almeida, a questão da mulher é outro tema pertinente ao debate sobre a importância de se ter um comportamento humanitarista. ;Só que é um cenário complexo. Podemos analisar hoje e, daqui a 15 dias, isso tudo mudar, principalmente no cenário político em que nos encontramos agora. Não sabemos se isso vai caminhar para frente ou para trás;, frisa.

A especialista conta que há poucos estudos de neuropsicologia sobre o tema, e os que existem tentam entender qual área do cérebro estaria relacionada a esse comportamento. ;Temos pesquisas que mostram outros dados relacionados à solidariedade que reforçam como despertar esse comportamento pode ser positivo. Muitas delas mostram que, ao dar algo a alguém, a reação de prazer causada no cérebro é maior do que quando você recebe. Essa sensação de fazer algo altruísta se mostra como algo com potencial para ser estimulado;, complementa. (VS)









Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação