Liverpool: Inglaterra além de Londres

Liverpool: Inglaterra além de Londres

Para fazer um curso de inglês ou uma visita rápida, a terra dos Beatles chama a atenção pelo clima de cidade do interior e a paixão dedicada à música do quarteto

» Gabriel Garcia Especial para o Correio
postado em 30/01/2019 00:00
 (foto: Wikimedia Commons/Divulgação)
(foto: Wikimedia Commons/Divulgação)


John Lennon idealizou um mundo sem fronteiras ao escrever a letra da música Imagine. Talvez o ex-beatle ;paz e amor; nem imaginasse que Liverpool, cidade onde nasceu em 1940, seria residência para estrangeiros dispostos a aprender o inglês. São milhares de latino-americanos, asiáticos, europeus, árabes e africanos rompendo as barreiras culturais para falar o principal idioma do mundo contemporâneo.

Na terra dos Beatles, há várias escolas especializadas na língua inglesa, com destaque para Kaplan Internacional, Imagine English Language Academy e Liverpool School of English. O alto custo cobrado pelos cursos, no entanto, pode desestimular uma parcela dos brasileiros a viver a experiência. Levando em consideração a conversão de R$ 4,87 para uma libra, uma semana de aulas, com hospedagem, fica entre R$ 1.500 e R$ 2.500. No Brasil, inúmeras empresas intermedeiam o serviço, o que facilita a vida dos neófitos.

Menor do que a vizinha e badalada Manchester, Liverpool, com meio milhão de habitantes, oferece amplo leque de atividades, sem perder o clima nostálgico de cidade interiorana. Andar por suas ruas é como viajar numa máquina do tempo algumas décadas: uma verdadeira aula de história em um país que viveu a ascensão e a queda do Império Romano, a Invasão Bárbara, a Guerra dos Cem Anos, as revoluções Gloriosa e Industrial e as duas guerras mundiais.

Aliás, as marcas da 2; Guerra Mundial estão estampadas em ruínas cruamente preservadas, em terrenos curiosamente intocados após 70 anos dos bombardeios da Luftwaffe, a força aérea de Adolf Hittler. Há ainda um conservado bunker subterrâneo que abrigou os aliados durante os ataques da Alemanha Nazista, com direito a uma guiada na Rumford Street.

Escravidão

Na área cultural, um museu sobre a história da escravidão revela como Liverpool se tornou, durante cinco assombrosos séculos, porto de escoamento da venda de milhões de negros. Logo na entrada, uma saudação de Nelson Mandela leva à reflexão sobre os preconceitos que a humanidade ainda carrega: ;Ser livre não é apenas romper os próprios grilhões, mas viver de forma a respeitar e engrandecer a liberdade dos outros;. Além desse, outros estabelecimentos, como Museu Nacional de Liverpool e Museu do Mundo, recontam as origens e reforçam a identidade da cidade. Detalhe: a entrada é grátis em todos eles.


Curiosidade
Os Beatles tocaram 292 vezes no The Cavern, considerado o clube mais famoso do século 20. A última apresentação no local foi feita em 3 de agosto de 1963.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação