Preocupação com a manutenção da base

Preocupação com a manutenção da base

postado em 18/02/2019 00:00
O início tumultuado do governo junto ao Congresso pode vir a ser um problema para o Planalto que pretende aprovar a reforma da Previdência ainda neste semestre. Especialistas ouvidos pelo Correio lembram que as articulações eram feitas por Gustavo Bebianno, que vai deixar o governo. Assim, será necessário encontrar um interlocutor rápido para que medidas do governo não sejam afetadas. As duas primeiras votações deliberativas da Câmara, evidenciaram, no entanto, a falta de união na base governista.

Para o cientista político Enrico Ribeiro, coordenador legislativo da Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical, o decorrer da crise política e moral, que passou a envolver o Planalto, dependerá da forma que Bebianno escolher sair. ;Se ele cair de uma forma consensual, bem-articulado entre o ministro e o governo, para evitar barulho, pode ser que não atrapalhe o governo. No entanto, se ele deixar o cargo atirando, vai atrapalhar bastante a reforma (da Previdência);, considerou.

O cientista político e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) Geraldo Tadeu Monteiro acredita que o presidente ainda não demonstrou a capacidade de articular os núcleos do governo. Um deles é a equipe econômica, que nesta semana apresenta formalmente a proposta previdenciária. ;O Executivo está andando de lado desde que assumiu;, afirmou o pesquisador.

Segundo Monteiro, construir as articulações no Congresso por meio das bancadas ou frentes partidárias, que têm pautas específicas, deve prejudicar o governo que deseja aprovar medidas consideradas impopulares. Assim, ele ressalta que o discurso de que ;nenhuma forma; de toma lá dá cá deve ser utilizada, levanta o questionamento: ;Qual vai ser a moeda de troca? O que o parlamentar vai ganhar, se atuar junto ao governo? Isso ainda não está claro;, avaliou. (LV)

Colaborou Rodolfo Costa

"Qual vai ser a moeda de troca? O que o parlamentar vai ganhar se atuar junto ao governo? Isso ainda não está claro;
Geraldo Tadeu Monteiro, cientista político

A semana

Governo pretende tocar a vida normalmente, mesmo após a provável saída do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno

Hoje
  • O Diário Oficial da União publica a exoneração de Gustavo Bebianno.

Amanhã
  • Mauro Benevides, cotado para presidir a comissão de Seguridade Social, levará a proposta para o diretório nacional do PDT que avaliará a indicação.

Quarta-feira
  • Jair Bolsonaro receberá a bancada do PSL para um café da manhã com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.
  • No período da tarde, o governo apresenta a íntegra da reforma da Previdência que pretende encaminhar ao Congresso no mesmo dia.
  • O presidente deve fazer um pronunciamento ao país, pelo rádio e televisão, em defesa da reforma da Previdência.

Quinta-feira
  • Bolsonaro, o ministro Onyx Lorenzoni e o líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo, se reunirão com líderes aliados.
  • O líder do PSL na Câmara, deputado Delegado Waldir (GO), se reúne com o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação