Filhos de Bolsonaro de olho na UDN

Filhos de Bolsonaro de olho na UDN

postado em 18/02/2019 00:00
 (foto: Wilson Dias/Agência Brasil - 12/12/18
)
(foto: Wilson Dias/Agência Brasil - 12/12/18 )



Com o PSL em crise e sob suspeita de desviar verba pública por meio de candidaturas ;laranjas; nas eleições de 2018, os filhos do presidente Jair Bolsonaro (PSL) negociam migrar para um novo partido, que está em fase final de criação. Trata-se da reedição da antiga UDN (União Democrática Nacional).

Segundo três fontes ouvidas pela reportagem em caráter reservado, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se reuniu na semana passada em Brasília com dirigentes da sigla para tratar do assunto. Ele tem urgência em levar adiante o projeto. Eleito com 1,8 milhão de votos, Eduardo teria o apoio de seu irmão, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ). Com esse movimento, a família Bolsonaro buscaria preservar seu capital eleitoral diante do desgaste do partido.

Enquanto ainda estava internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo, Jair Bolsonaro acionou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, para que determinasse investigações sobre o caso.

Projeto de poder
As suspeitas atingiram o presidente da legenda, deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE), e foram pano de fundo da crise envolvendo o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, que foi chamado de mentiroso por Carlos Bolsonaro depois de afirmar que tratara com o pai sobre o tema. Após cinco dias de crise, Bebianno deve ser exonerado do cargo nesta segunda-feira.

Além de afastar a família dos problemas do PSL, a nova sigla realizaria o projeto político de aglutinar lideranças da direita nacional identificadas com o liberalismo econômico e com a pauta nacionalista e conservadora, defendida pelo clã Bolsonaro.

A nova UDN é um dos 75 partidos em fase de criação, conforme o TSE. Segundo seu dirigente, o capixaba Marcus Alves de Souza, apoiadores já reuniram 380 mil assinaturas ; são necessárias 497 mil para a homologação da legenda. O partido já tem CNPJ e diretórios em nove estados, como exige a legislação eleitoral para a homologação.

A assessoria do Palácio do Planalto informou que não ia se manifestar sobre o assunto. A reportagem procurou ainda as assessorias do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), do deputado Eduardo Bolsonaro e do vereador Carlos Bolsonaro, mas nenhuma delas se manifestou. Bivar, presidente da legenda, também foi procurado, mas não respondeu aos questionamentos.


Investigação no Senado
O corregedor do Senado, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), afirmou ontem que pediu apoio da Polícia Federal para apurar uma eventual fraude na eleição para a presidência da Casa. O pedido foi feito ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e será formalizado nesta segunda. A decisão foi tomada em conjunto com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM). ;Hoje, no café da manhã em minha casa, me reuni com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, para tratar de assuntos internos da Casa. Sobre o trabalho da corregedoria, na investigação da fraude do dia da eleição, atualizamos as informações e decidimos pedir a Polícia Federal que apoiasse a Polícia Federal Legislativa na perícia das imagens de todos os 81 senadores;, disse Roberto Rocha, em nota.


380 Mil
Quantidade de assinaturas coletadas para a criação da UDN. São necessárias 497 mil



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação