Quatro crianças soterradas em SP

Quatro crianças soterradas em SP

Fortes chuvas na Grande São Paulo provocam enxentes e deslizamentos, deixando saldo de quatro crianças mortas em Mauá. Duas vítimas foram enterradas ontem. A capital entrou em estado de atenção para alagamentos no fim de semana

postado em 18/02/2019 00:00
 (foto: Roberto Sungi/ Futura Press)
(foto: Roberto Sungi/ Futura Press)



As chuvas que caíram sobre a região metropolitana de São Paulo, no sábado, provocaram o desabamento de duas casas em Mauá, na Grande São Paulo. Quatro crianças morreram soterradas. A capital entrou em estado de atenção para alagamentos e até o movimento do Aeroporto de Congonhas foi afetado pelas chuvas no fim de semana.

Em um dos desmoronamentos, na avenida Cidade de Mauá, altura do número 1.813, um garoto de 8 anos, Miguel dos Santos Silva, e sua irmã, Maria Heloísa dos Santos Sales, de 11 meses, foram encontrados mortos pelos bombeiros na madrugada de ontem. Os corpos foram enterrados no fim da tarde, no Cemitério Nossa Senhora do Carmo, em Santo André, no ABC paulista. A mãe deles, Talita Santos, 34 anos, foi socorrida por populares. No hospital, médicos descobriram que ela está grávida.

No outro desabamento, na Rua Ane Altomar, número 200, duas crianças da mesma família morreram soterradas. Os irmãos Guilherme, de 4 anos, e José Henrique, de 11, devem ser enterrados nesta segunda-feira, em Mauá. A mãe das vítimas foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). No mesmo local, um homem, de 41 anos, que teve fratura exposta, foi encaminhado ao Pronto Socorro Nardini.

O Corpo de Bombeiros acredita que os desabamentos sejam consequências das fortes chuvas. No total, foram 22 viaturas e 71 agentes envolvidos nos dois resgates.

Segundo a corporação, 290 ocorrências foram registradas na região metropolitana entre a 0h e às 23h59 de sábado, sendo 147 acionamentos por queda de árvores, 81 por desabamentos e 62 por enchentes ou alagamentos.

Atenção

As pancadas de chuva colocaram toda a cidade de São Paulo em estado de atenção para alagamentos. A informação é do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), que adicionou as zonas norte, centro, leste e sudeste na lista de regiões que podem sofrer transbordamento de rios e deslizamentos de terra. A Marginal do Tietê entrou em estado de atenção.

De acordo com o CGE, instabilidades ganharam força durante a tarde e provocaram pancadas isoladas de chuva nas próximas horas. Precipitações moderadas já foram registradas em alguns pontos da cidade. As zonas sul, oeste e a Marginal do Pinheiros já estavam em estado de atenção.

O Aeroporto de Congonhas também foi afetado pelas chuvas. Na manhã de sábado, a pista principal teve de fechar para pousos e decolagens, provocando atrasos em alguns voos.


Protesto contra morte no Extra

Um protesto contra a morte de Pedro Henrique Gonzaga, de 25 anos, no hipermercado Extra, na Barra da Tijuca, levou dezenas de pessoas a uma manifestação no estacionamento do mercado na tarde de ontem. O jovem morreu na última quinta-feira, 14, depois que um segurança, Davi Ricardo Amâncio, aplicou um golpe mata-leão (uma chave de estrangulamento), após uma confusão na loja. A manifestação foi convocada por vários grupos de ativistas, ligados principalmente ao movimento negro. Estavam presentes a ex-governadora Benedita da Silva (PT) e o ator Aílton Graça. O grupo começou a se reunir pela manhã no estacionamento e pedia boicote à rede. Alguns clientes que chegavam para fazer compras desistiram de entrar depois de abordados por manifestantes.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação