Sr. Redator

Sr. Redator

Cartas ao Sr. Redator devem ter no máximo 10 linhas e incluir nome e endereço completo, fotocópia de identidade e telefone para contato. E-mail: sredat.df@dabr.com.br

postado em 09/03/2019 00:00
Risco a pedestres
Os habitantes desta capital do Terceiro Milênio, ao caminharem por ruas e calçadas, se espantam com a falta de educação dos brasileiros/brasilienses. Além de lixo e dejejos de cães espalhados pela grama e passeios, deparam-se com falta das tampas nas caixas de inspeção de tubulações de água, telefones, etc. Quando não estão firmemente presas aos seus suportes, elas são levadas por larápios, colocando em risco a caminhada de idosos, crianças e animais. Se alguém as furta, deve haver quem as compra. Por isso, as empresas responsáveis devem repor essas coberturas com outros materiais para a segurança das pessoas, animais e também do que está no subsolo, a serviço do bem comum.
; Aldo Paviani,
geógrafo


Venezuela

Nenhuma pessoa esclarecida pode apoiar o regime nefasto de Maduro. Toda ditadura deve ser repudiada. A verdade histórica tem que ser respeitada, mostrar com dignidade como os fatos se deram (ou dão). Nunca a tíbia OEA se manifestou contra as ditaduras brasileira, argentina, uruguaia, chilena. Pareciam ficções. A ONU é outro exemplo de covardia. China, Rússia, Estados unidos, Coreia do Norte, Arábia Saudita e, principalmente, os sionistas, que trucidam jovens e crianças palestinas que lhe atiram buscapés e pedras com estilingue. Debocham e desqualificam as resoluções da ONU, respaldados pelo Gigante do Norte. É mais seguro pressionar inexpressivos países sul-americanos, sem poder de ação contra investidas predatórias. Tenho profunda aversão a regimes ditatoriais, mas não posso deixar de imaginar que como no Afeganistão, Líbia e Iraque, existe no ar um forte cheiro de petróleo.
; Renato Vivacqua,
Asa Norte


Bolsonaro

Infelizmente, o inimigo maior do presidente compartilha de sua intimidade. A verdade é que trabalha o tempo todo fornecendo munição aos adversários. Meu pai enchia a boca quando designava alguém por boçal. Estou entendendo cada vez mais o que significava. As declarações sobre o enterro do neto de Lula foram de uma impropriedade ímpar. Se alguém tiver esse ou aquele comportamento não importa, temos que agir com a decência que se espera num momento assim. Podia a ;criança; fazer o exercício do mutismo. Boca rota apequena o seu dono. Eleitora de Jair Bolsonaro, preocupada com a impressão à vontade do filho (seja lá qual seja a sua designação numérica), devo dizer, trazendo de volta uma famosa frase brasileira : ;Ou Bolsonaro acaba com o boçal ou o boçal acaba com Bolsonaro.;
; Alice Martins,
Brasília


Mudanças

Há urgência por reformas e mudanças no país. O desemprego atormenta os trabalhadores, a insegurança das ruas tira o sono dos cidadãos e a falta de um atendimento digno na rede de saúde do país são algumas questões que precisam da resposta urgente das nossas autoridades. O atual governo foi eleito sob a égide das mudanças. Que largue o Twitter imediatamente e venha governar, para todos os brasileiros!
; Vera Cruz,
Asa Norte


Qual educação?

O Brasil não cresce porque a educação básica é ruim. É verdade, mas isso não explica a relação de educação e desenvolvimento. Educação de qualidade é essencial para o desenvolvimento porque melhora a produtividade da mão de obra e assim empresas se modernizam, empregados ganham melhor e o país avança. O brasileiro ganha mal porque só produz 1/3 de um argentino e 1/5 de um americano e é um erro achar que mais anos de escola resolve. Nem curso superior em escola ruim garante emprego melhor, pode ser perda de tempo e dinheiro. Estudo do Indicador de Analfabetismo Funcional (Inaf) revela que 38% dos alunos do Ensino Superior são analfabetos funcionais: não conseguem interpretar e associar informações. É preciso mudar a educação desde a infância, garantindo alfabetização, aprendizado e crescimento sócioemocional. Educar por projetos interdisciplinares, que ensinem estudantes a pensar, pesquisar, trabalhar em equipe, enfrentar dificuldades e resolver problemas, aptos a aprenderem profissões futuras que ainda nem conhecemos. Mas sem esquecer que vivemos no presente, por isso o ensino médio, como em outros países, deve preparar os jovens para o trabalho, priorizando português, matemática, ciências, informática e profissionalização. Uma escola em sintonia com o nosso tempo.
; Ricardo Pires,
Asa Sul





Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação