Quer ser moço de convés?

Quer ser moço de convés?

Então estude para a seleção da Marinha que vai treinar para a área. Os participantes serão preparados a fim de operar e limpar embarcações

Eduarda Esposito*
postado em 10/03/2019 00:00
 (foto: Arquivo pessoal)
(foto: Arquivo pessoal)

Os inscritos na seleção do Curso de Formação de Aquaviários ; Moço de Convés (CFAQ-I C) devem intensificar os estudos: a prova objetiva será no fim do mês, em 31 de março. Em três horas, os candidatos resolverão 20 itens de matemática e 20 de português, todos de múltipla escolha. O certame oferece 30 vagas. Os aprovados vão morar e estudar no Rio de Janeiro, tendo 668 horas/aula, além de dois meses embarcados, trabalhando em navio mercante. O curso para moço de convés é gratuito, sendo oferecido material de ensino por empréstimo. Não haverá a facilidade de alojamento na primeira parte do curso (no Rio de Janeiro), apenas merenda escolar.

É importante observar que a seleção não é um concurso público: ela não se destina ao provimento de cargo, emprego ou função pública, ou ainda ao ingresso, como militar de carreira, na Marinha do Brasil. O CFAQ-I C serve para fornecer formação aos selecionados, que poderão buscar oportunidades na própria Marinha ou em empresas particulares. A função de um moço de convés é auxiliar em operação, na manutenção, conservação e limpeza de equipamentos e instalações de embarcações.

Os que têm essa certificação também são preparados para executar manobras de atracação e desatracação, lançando e recolhendo amarras e cabos. Trata-se de uma formação básica do ensino marítimo, que integra a carreira de aquaviário (profissão de quem opera embarcações). O processo seletivo é voltado para brasileiros natos ou naturalizados de ambos os sexos, a partir dos 18 anos de idade e, no mínimo, ensino fundamental completo.

A seleção é composta por cinco etapas: exame de conhecimentos (português e matemática); verificação de documentos e apresentação de atestados médicos; realização do Teste de Suficiência Física (TSF) na modalidade natação; comprovação do tempo de embarque; e matrícula.

Dicas para a prova
A fim de ajudar na revisão antes do exame, a professora de português do IMP Concursos Elaine Fontana deixa lembretes. ;Revisar o uso dos pronomes pessoais é importante já que costuma ser um ;calcanhar de Aquiles; para muitos candidatos. Acertar os itens sobre isso requer conhecimento das regras e treino;, explica. ;Inicie os estudos pelas classes gramaticais, que é a base da gramática. Dessa forma, o estudante conseguirá compreender melhor os conteúdos. Aplique o conhecimento sempre aos textos;, ensina.

Já em matemática, o professor Bruno Lima, do Estratégia Concursos, chama a atenção para tópicos prioritários. ;De maneira geral, eu destacaria três assuntos que sempre caem: porcentagem, que apesar de básico muitos acabam confundindo; conjuntos, a parte de diagramas de Venn (método de organização de conjuntos que consiste em agrupar seus elementos dentro de figuras geométricas), que tem um modelo de questão bastante usada por concursos; e geometria, mais especificamente o cálculo de área;, enumera.

Sobre o último item, Bruno explica sua importância. ;Como depende de uma interpretação além do texto, da visão espacial e do desenho, acaba cobrando criatividade do candidato na hora da resolução da questão;, pontua. ;O candidato deve, na reta final, treinar com a resolução de exercícios. Para matemática, não tem como o candidato se preparar simplesmente com leitura . O ideal é tirar a última semana para resolver questões que apareceram em certames anteriores.;, aconselha

Arrebente na parte física
O teste de suficiência física é composto por duas provas. Na primeira, o candidato deve nadar, em qualquer estilo, em uma piscina de 25 metros sem marcação de tempo. Na segunda parte, é preciso boiar na piscina por 10 minutos sem nenhum tipo de auxílio. Para essa fase, os candidatos devem trajar sunga ou maiô inteiro, não sendo permitido o uso de calção ou bermuda.

O professor Iran Junqueira de Castro, da Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília (FEF/UnB), tranquiliza candidatos, ao avisar que o teste de suficiência física é tranquilo até para iniciantes. ;Se não tiver fobia de água e conseguir flutuar, dá para fazer. Há várias estratégias que podem ser usadas, como fazer a prova com o nado costas ou o famoso ;cachorrinho;, porque ajuda o candidato a se virar na distância curta dos 25 metros;, explica.

Para quem tem aversão, a dificuldade aumenta. ;Se a pessoa não souber nadar nenhum estilo, ela realmente vai utilizar muita energia, como se estivesse nadando, na verdade, 300m. O gasto de energia de uma pessoa que não sabe nadar é bem maior;, pontua Iran. Para a segunda fase do TSF, ele deixa dicas de como boiar na piscina.

;Quando se tira o oxigênio do pulmão, você tende a descer na água. Se prender o ar, a possibilidade de boiar aumenta. Então, a orientação é tentar manter o oxigênio no pulmão o máximo que puder, esvaziar, mas voltar a enchê-lo;, aconselha. Outra dica é agitar os membros imersos. ;Fazer um movimento de circundução das mãos e bater levemente os pés ajuda a continuar boiando também;, indica.
O que diz o edital
Curso de Formação de
Aquaviários Moço de Convés
(CFAQ-I C) da Marinha do Brasil
Inscrições: encerradas em 1; de
março; confira o edital em
bit.ly/editalmococonves
Vagas: 30
Taxas: R$ 50
Salário: não há
Datas e etapas: 31/3 (exame de
conhecimentos); 24/5 (verificação de documentos e atestados físicos); 29 e 30/4 (teste de suficiência física); e 6/5 (matrícula e
início do curso)
Local: Rio de Janeiro

*Estagiária sob supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação