Muito além da política

Muito além da política

postado em 10/03/2019 00:00

Paulo Guedes pode barrar paridade salarial de policiais
Ao receber a proposta de paridade salarial entre a Polícia Civil do DF e a Polícia Federal (PF), o ministro da Economia, Paulo Guedes, sinalizou que vai dificultar as negociações para aprovação do projeto. Para assessores do ministro, não é interesse do governo aumentar o salário dos policiais, segundo eles, mais bem remunerados do país, ainda mais quando o assunto no Brasil são os cortes de privilégios e a ;nova Previdência;.

O poder da caneta
Quem autoriza o aumento de salário dos policiais é o Congresso Nacional. Mas a caneta de Guedes pode, sim, rabiscar o projeto do governador do DF, Ibaneis Rocha ; pois quem envia o texto ao Legislativo é o Palácio do Planalto. E o presidente Jair Bolsonaro pediu a opinião da equipe econômica e de; Paulo Guedes. Para ganhar tempo e evitar descompassos na agenda prioritária do governo federal, o Planalto divulgou nota dizendo que o texto será enviado à Câmara depois que a reforma previdenciária ;for aprovada;.

Promessa é dívida
Ciente da dificuldade imposta pelo superministro, Ibaneis Rocha tem feito visitas constantes à cúpula do Palácio do Planalto. Ainda não foi recebido oficialmente pelo presidente Bolsonaro, mas tem tomado água e café com secretários e ministros. Ibaneis quer aprovar a paridade salarial a todo custo. Afinal, foi uma de suas promessas de campanha.


O custo dos privilégios
Assessores do deputado Paulo Ganime (Novo-RJ) fizeram a conta: sem auxílio-moradia, apartamento funcional, reembolsos médicos e aposentadoria especial de parlamentar, dá para economizar R$ 5,2 milhões durante o mandato. Esse é o valor que o novato quer devolver aos cofres públicos em 2023. Apenas com o gabinete, a redução dos funcionários (de 25 para sete) diminui a folha de pagamento em R$ 86 mil mensais. Vamos acompanhar;


Joice entre os poderosos 1
Líder governista no Congresso, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) gosta de mostrar proximidade com o primeiro escalão ; do qual, agora, ela também faz parte. Durante entrevista coletiva sobre a ;nova Previdência;, atendeu a um telefonema do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. As câmeras e gravadores da imprensa estavam ligados. ;Oi, gaúcho;, repetiu duas vezes, para que todo mundo pudesse ouvir. ;Ah, gente, era o ministro Onyx;, explicou ao desligar.


Joice entre os poderosos 2
A amizade entre Joice e Onyx é politicamente muito útil aos dois. Para Joice, traz poder e prestígio. Para Onyx, traz acesso ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com quem a líder do governo tem uma ótima relação. Sem Joice na articulação com Maia, Onyx teria ainda mais dificuldade em entrar nas negociações para agilizar as votações de interesse do governo.


Major Vitor Hugo e mais um escanteio
Informalmente, o PSL orientou seus parlamentares a não emendarem o carnaval. O líder do partido na Câmara, Major Vitor Hugo (GO), pediu, inclusive, que a bancada trabalhasse durante a folga. Alexandre Frota (SP) foi um dos primeiros (de muitos) a se negar. Disse que ;sentia muito;, mas precisava visitar a filha, Bella, nascida há 15 dias. Desgaste certo para o líder.


Opinião própria
Um dos fiadores da nova Previdência, o Podemos está disposto a negociar cargos e emendas para aprovar o projeto do governo. Em linha mais independente, o deputado Diego Garcia (Pode-PR) afirmou, em conversa com a coluna, ser o único integrante da legenda que ;não aceita cargos; nem quer papo com o Planalto. Está sujeito, entretanto, às orientações da bancada pró-reforma.


Esplanada esportista
Por causa da agenda apertada, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, diminuiu o ritmo nas partidas de vôlei. Paulo Guedes, por sua vez, mantém firme a rotina de caminhadas pelas ruas de Brasília.


As pedradas de Bia Kicis
Integrante da ala feminina bolsonarista, a deputada Bia Kicis (PSL-DF) criticou o presidente da OAB do Distrito Federal, Délio Lins e Silva, no plenário da Câmara. Aproveitou uma sessão esvaziada para dizer ; e gravar, nas redes sociais ; que ter Délio como representante da Ordem dos Advogados é ;uma indignidade; para a carreira.

Segredinhos...


Cargos
Simone Tebet (MDB-MS) vai presidir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal. Tasso Jereissati (PSDB-CE) será relator da Comissão Especial da reforma da Previdência na casa legislativa.


Muito axé
Fervendo no carnaval da Bahia, a cantora brasiliense Adriana Samartini encontrou-se com o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM-BA), em cima do trio elétrico de Durval Lelys. Tirou uma selfie, claro!


Todo dia é dia
Foi ideia da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, homenagear empresárias e mães de crianças com deficiência no Dia da Mulher. A cerimônia no Palácio do Planalto foi um pedido dela ao presidente ; que, encantado, autorizou a solenidade.


Frevo
Comemoração dupla para o deputado Sílvio Costa Filho (PRB-PE), que passou o carnaval e o aniversário ao lado da mulher, a joalheira Cristiana Lemos. O local escolhido foi Olinda, em Pernambuco.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação