Evento tem novo endereço

Evento tem novo endereço

Nahima Maciel
postado em 13/03/2019 00:00
 (foto: Feira do Livro/Divulgação)
(foto: Feira do Livro/Divulgação)
Depois de anos ocupando a lateral do Pátio Brasil Shopping, a Feira do Livro de Brasília está de mudança. A 35; edição do evento, marcado para ser realizado entre 6 e 16 de junho, passa a ocupar a praça entre o Museu Nacional da República e a Biblioteca Nacional. No total, serão 27.500 m; divididos entre espaços de encontros entre público e convidados, praça de alimentação e um total de 100 estandes com 20m; para cada um. Realizada pelo Instituto Latinoamerica e pela Câmara do Livro do Distrito Federal, a feira custará em torno de R$ 2 milhões, mas esse orçamento ainda não está fechado.

Ontem, durante lançamento do evento na Biblioteca Nacional, o produtor-executivo da feira, Telmo Ribeiro, explicou que essa edição terá quatro eixos: infantil, literário, artístico e pedagógico. ;Este último é a grande novidade. Contratamos um curador pedagógico para aproximar a feira das demandas educacionais;, garante.

Vale lembrar que o caráter pedagógico da feira já foi enfatizado em muitas outras edições. Em 2006, por exemplo, a 25; edição do evento trazia a Feira Itinerante, na qual autores iam às escolas públicas encontrar alunos que haviam, previamente e com orientação pedagógica, trabalhado em seus livros. Milton Hatoum, ganhador do Jabuti e do Portugal Telecom, passou pelo programa naquele ano.

A mudança do local, segundo Ribeiro, foi fruto da necessidade de ser coerente. O produtor explica que, este ano, haverá um trabalho de conscientização junto aos livreiros para que privilegiem a comercialização de obras editoriais, e não de produtos derivados, como tem acontecido nas últimas edições da feira. ;Diante da crise do setor, alguns livreiros colocam nos estandes diversos produtos;, constata Ribeiro. ;A gente não pode interferir diretamente, mas vamos fazer um trabalho de conscientização para o livreiro valorizar o motivo de estar presente, que é a questão editorial;.

Este ano, os organizadores também vão abrir para a participação de livreiros de outros estados que forem filiados à Câmara Brasileira do Livro (CBL). Por enquanto, nenhum estande foi vendido. A comercialização começa a ocorrer a partir de hoje, após o lançamento.

A bibliotecária Maria da Conceição Moreira Salles, morta em 2012, é a principal homenageada do evento, que tem como tema Biblioteca ; Espaço do prazer e do aprender. Durante mais de duas décadas, ela esteve à frente da Biblioteca Demonstrativa de Brasília, fechada para reforma desde 2014. ;A biblioteca fechada é uma lástima. A Conceição não teve filhos. A filha dela foi essa biblioteca. E em tempos tristes de fake news, só a cultura e a educação vão nos livrar disso. As fake news nascem nas sombras do saber;, reparou Adriana Tostes, prima de Conceição e convidada para falar sobre a bibliotecária durante o lançamento da feira. Entre os homenageados estão, ainda, o poeta Mailson Furtado Viana, vencedor do Prêmio Jabuti com À cidade, o ilustrador André Cerino e o poeta João Doederlein, conhecido como AKA Poeta.

Responsável pela curadoria da 35; edição, Maurício Mello Júnior conta que a ideia foi focar na diversidade. Entre os autores confirmados, estão José Eduardo Agualusa, que vem falar sobre sua experiência com bibliotecas; Alberto Mussa e Renato Janine Ribeiro. ;O Janine vem com uma palestra polêmica, vai falar sobre a importância do livro numa época em que se privilegia a ignorância;, avisa Maurício. Na lista estão ainda a portuguesa Mafalda Milhões e o editor Eduardo Lacerda. ;A ideia é que autores que vêm de fora congreguem com autores de Brasília e que tudo seja o mais diversificado possível. Vamos debater os vários aspectos da literatura;, avisa o curador.



35; Feira do Livro de Brasília
De 6 a 16 de junho, no Complexo Cultural da República



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação