Grita Consumidor

Grita Consumidor

postado em 06/05/2019 00:00

; LEANDRO SOUZA AMBIENTES

PRODUTO NÃO ENTREGUE

; Tânnia Conceição Barbosa, Asa Norte

A leitora do Grita do Consumidor Tânnia Barbosa, 55 anos, está em processo de mudança de apartamento e decidiu comprar móveis novos. Para isso, contratou um serviço de planejamento de ambientes, efetuou o pagamento, mas a empresa não cumpriu o prazo de entrega. ;Estou aguardando desde dezembro. O dono da loja remarcou a data cinco vezes e nada aconteceu. Além do mais, não posso me mudar, pois não tenho onde guardar minhas coisas
na nova residência. Estou angustiada
com esta situação;, desabafa.


Resposta da empresa

De acordo com a empresa, a demora ocorreu por
aumento de demanda e falta de matéria-prima. Parte do pedido feito à fabricante foi entregue e o restante está em fase final para entrega. Segundo a gerência da loja, apesar de ocorrer erro no programa digital de criação dos móveis, o pedido completo será entregue em até 20 dias. A concedente
pede desculpa pela demora decorrente.
Comentário da consumidora

;Eu não acredito mais nas promessas do proprietário. Ele me ligou após a reclamação, mas não manteve contato para resolver o problema. Além da coluna, entrei com representação no Procon para resolver o caso. Deixo o alerta para pessoas que pensam em comprar nesta loja, eles não cumprem com o prometido.;



; HOSPITAL MARIA AUXILIADORA

COBRANÇA NÃO INFORMADA

; Jahyane Barbosa Rosa, Gama

O filho da empresária Jahyane Barbosa, 33, caiu, cortou o queixo e precisou de atendimento médico. A consumidora o levou ao hospital Maria Auxiliadora para receber os cuidados necessários. O convênio de saúde da família autorizou a execução dos procedimentos por meio de um número de verificação enviado à cliente. No entanto, após três meses, Jahyane recebeu uma fatura a pagar referente ao ocorrido. ;Ninguém me informou que seria cobrado, acreditei que o plano de saúde pagaria tudo. Os consumidores têm que ser avisados em casos assim;, ressalta.

Resposta da empresa

Em nota, o Hospital Maria Auxiliadora esclareceu que o convênio médico, a posteriori, não validou o pedido de cobertura do procedimento cirúrgico, solicitado pela consumidora. Por isso, foi gerada a cobrança direta pela unidade hospitalar. A fim de resolver o caso, a Amil efetivou a cobertura do procedimento pelo plano de saúde, sem cobranças adicionais.

Comentário da consumidora
;Estou muito satisfeita! O convênio médico me ligou, pediu desculpa e confirmou que houve erro, a cobrança foi indevida e vão arcar com os custos gerados.;



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação