360 Graus

360 Graus

por Jane Godoy janegodoy.df@dabr.com.br
postado em 19/05/2019 00:00
 (foto: Jane Godoy/CB/D.A Press
)
(foto: Jane Godoy/CB/D.A Press )
Brasília na Plenitude de seus 60 anos! Estamos a caminho do 21 de abril de 2020. Vamos pensar nela com o maior carinho e empenho!


Muita luz para Brasília




Em um compromisso social no último sábado na cobertura de um edifício no Setor Hoteleiro Norte, em meio ao bate-papo com as amigas, abraços e manifestações de carinho e alegria de ver quem há muito a gente não via, parecia que uma força magnética me atraía para o terraço, de onde se descortinava uma vista maravilhosa do skyline da cidade.

Não resisti. Aos poucos, passando de um grupo a outro, consegui me deixar levar por aquela sensação de que algo me chamava, parecendo querer me contar alguma coisa.

Ao chegar ao parapeito daquele terraço, completado por uma alta proteção de vidro temperado, o encantamento causado pelas luzes ao longe que, como vagalumes começaram a piscar aqui e ali, anunciando o anoitecer, aos poucos aquela sensação boa foi se esmorecendo, esfriando, me deixando triste.

Isso porque, bem em frente à cobertura em que eu estava, como que a se mostrar e dizer o quanto estava abandonado, sujo, triste e se decompondo, todo pichado e com suas escadas perigosamente à mostra, estava aquele lugar para onde a gente ia, nos fins de semana, degustar as delícias da gastronomia árabe. Quibes gigantes, fritos, crus ou assados, deliciosos, esfirras e pratos com grão de bico, charutos de folha de parreira e muito mais vieram à minha mente, me deixando até aquele cheirinho de comida boa e água na boca.

O fantasma do Torre Palace Hotel ali estava me assombrando e me deixando triste de ver, bem no coração de Brasília, no valorizadíssimo Eixo Monumental, numa cidade de apenas 59 anos recém-completados, um cortiço como os que a gente vê em cidades centenárias.

Mesmo sabendo ;das pendengas; judiciárias, dos trâmites da morosidade de tudo o que gira em torno desses conflitos, lamentamos ver tudo como está e nos questionamos quando tudo isso será resolvido e aquele edifício será recuperado e complementará a beleza daquele espaço.

Escurece mais e saio das reflexões sobre o edifício abandonado e me deparo, logo à minha direita, com uma beleza camuflada pela escuridão que se abatia a cada minuto, depois ;da hora do Angelus;.

Lá estava ela, a ;menina dos meus olhos;, aquela que já foi motivo e alvo de tantas e tantas matérias veiculadas neste espaço: a Torre de TV.

Sempre tão escura, tão sem vida, tão sem a pompa e a circunstância que as suas irmãs europeias e asiáticas ostentam. Quase invisível, se não fosse a luz de alerta em seu topo e o que parecia uma vela acesa logo acima do mirante.

Também sei que ela está em fase de restauração, de reforma dos maravilhosos e respeitáveis pilotis que, antes numa crise de mau gosto e total desconhecimento dos efeitos da cor na arquitetura, tiveram a audácia de ;fantasiá-los; com duas cores. Um desastre que motivou matéria nesta coluna, depois de protestos veementes de leitores revoltados com o que fizeram com aquela obra arquitetônica.

Esse desabafo de hoje deve se transformar em um apelo para que os órgãos e as pessoas responsáveis pela nossa Torre de TV e pelo finado Torre Palace Hotel, pensando com o maior carinho nos 60 anos de Brasília, que vamos comemorar em 2020, os transforme em motivo de orgulho e satisfação de todos os brasilienses. Felizes e recompensados, teremos motivo de sobra para exibir a nossa tão querida e respeitada Brasília, a capital de todos os brasileiros.

Ela merece!




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação