"Salva" pela costura

"Salva" pela costura

postado em 19/05/2019 00:00
 (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)


A costura foi a força motriz para que Vivian Spier, 26 anos, pudesse se encontrar enquanto profissional e superasse a depressão. A estilista conta que passou por muita instabilidade emocional durante a fase pré-vestibular e não conseguia se projetar em nenhuma profissão. Nesse período, a costura foi a distração que precisava para se recuperar.

Mas o hobby foi além do que esperava: Vivian descobriu uma maneira de melhorar a autoestima e de outras mulheres por meio das criações. ;Eu sempre fui muito magra e tinha dificuldades de encontrar roupas legais que não fossem na sessão infantil. Na moda, consegui resgatar isso. Costurando, eu entendi que conseguia valorizar o meu corpo do jeito que ele era.;

O negócio foi expandindo gradualmente. Após concluir o ensino médio, começou a receber encomendas de amigos da família e de pessoas que conhecia em Águas Claras, cidade onde mora desde criança. Com o tempo, foi necessário reservar um espaço só para realizar o trabalho, e não demorou até alugar o primeiro ateliê. ;No início, fazia muitos terninhos e blusas para advogadas e médicas, mas, depois de um tempo, senti necessidade de poder colocar em prática minha criatividade.;

A partir do convite de uma amiga gestante que ia se casar, a estilista começou a desbravar o mercado das noivas. Para o desafio, foi necessário se dedicar muito e desenvolver novas habilidades. ;A partir desse pedido, apliquei meus conhecimentos sobre espartilho vitoriano, por exemplo. Era algo novo, que nunca tinha experimentado antes. Ela confiou tanto em mim que acreditei que daria conta, e de fato foi o caminho para me encontrar.;

Em pouco mais de seis anos, Vivian conta com duas lojas em Brasília e, todos os dias, recebe noivas dos quatro cantos do Brasil ; e de fora também. Como é o caso de modelo Glelany Cavalcante, 25 anos, que atualmente mora na Itália.

Pelas raízes baianas e criação brasiliense, Glelany conta que queria um vestido que representasse bem sua paixão pelo país, encontrando no trabalho de Vivian exatamente o que procurava. ;Ela consegue transmitir para os vestidos todo amor e dedicação. Costumo até chamá-los de joias. Confiei de olhos fechados no trabalho dela e não me decepcionei em nada, ficou bem mais lindo do que eu esperava;, garante a modelo.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação