Luxo sustentável

Luxo sustentável

postado em 19/05/2019 00:00
 (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)


O brechó de luxo Redress nasceu de uma forma despretensiosa. Depois de se casar e se mudar para um apartamento menor, Daniela Bittar, 31 anos, resolveu deixar o vestido de casamento na casa da mãe. Entretanto, se deparou com outros vestidos guardados, todos assinados por designers renomados, que foram usados pelas irmãs e a cunhada em suas respectivas festas de casamento.

;Na época, o fotógrafo do meu casamento havia postado as fotos da cerimônia nas redes sociais e várias mulheres me perguntaram onde havia comprado. Foi então que tive um estalo e me veio a ideia de vendê-lo;, relembra. Daniela resolveu compartilhar a ideia com a amiga Rafaela Araújo, 31, que topou na hora entrar no negócio. ;O pensamento inicial era de reunir alguns vestidos e vendê-los. Não tínhamos muita noção do que poderia se tornar;, acrescenta Rafaela.

Em dois anos, o negócio cresceu de forma surpreendente. E hoje as empresárias contam com um acervo que reúne vestidos de segunda mão de diversas marcas reconhecidas nacional e internacionalmente. Entre os critérios de avaliação, a curadoria verifica as tendências do mercado, a modelagem, o material e se há procura pelo modelo. ;Além de renovar a energia, economizar um espaço no armário, nós ajudamos outras pessoas a realizarem sonhos;, atesta Daniela.

Um dos maiores conceitos da loja é desmistificar que tudo que envolve o casamento é muito caro ou inalcançável. E mais que isso. As sócias procuram facilitar o acesso das noivas de Brasília a marcas que até então não eram encontradas facilmente na capital. ;Compramos peças de várias localidades do Brasil, e isso faz com que haja uma variedade de estilistas em nosso acervo. O nosso objetivo é fazer com que as noivas não precisem mais ir para outros lugares para comprar um vestido;, afirma Rafaela.

Entre as novidades no universo das noivas, as empresárias apontam que as tendências para ficarem de olho são peças com cortes diferenciados que marcam menos o corpo, mangas mais dramáticas, como em corte morcego ou sino, e rendas menos tradicionais e mais texturizadas.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação