Mercado s/a

Mercado s/a

%u201CParceria entre as empresas Sigo Esporte e CWS.Digital auxiliará atletas a encontrar novas formas de financiamento%u201D

Amauri Segalla
postado em 24/05/2019 00:00
 (foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CPB



)
(foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CPB )

Apoio bilionário a atletas

A redução dos investimentos públicos no esporte brasileiro obrigou o setor a buscar novas fontes de recursos. A boa notícia é que eles começam a aparecer. Uma parceria entre as empresas Sigo Esporte e CWS.Digital auxiliará atletas a encontrar novas formas de financiamento. A ideia é lançar uma plataforma para vendas de artigos esportivos, captação de doações e recebimento de comissões de transações feitas por um sistema exclusivo de pagamento por celular. Segundo os envolvidos, a ideia tem potencial para prosperar graças ao elevado nível de influência e engajamento dos esportistas nas redes sociais. O projeto é ambicioso, com expectativa de distribuição de R$ 1,5 bilhão para atletas, clubes e treinadores até 2022. ;Vamos criar uma renda recorrente aos esportistas brasileiros, além de oferecer condições mais favoráveis para o progresso da cadeia como um todo;, diz Ignacio Aloise, diretor da Federação Internacional de Judô e um dos idealizadores da iniciativa.


Além da TIM, OI está de olho no 5G

A TIM não é a única empresa que tem licença especial para fazer testes com o 5G, como foi anunciado nos últimos dias pela operadora italiana de telecom. Quem também está de olhos bem abertos para a nova frequência de telefonia móvel ; que será licitada no primeiro trimestre do ano que vem e que tem potencial para dinamizar as telecomunicações no Brasil ; é a Oi. A informação foi confirmada pela a Agência Nacional de Telecomunicações, Anatel.

R$ 139 bilhões
é quanto a Receita Federal arrecadou com impostos e contribuições federais em abril, alta de 1,28% em relação ao mesmo mês de 2018. O desempenho foi o melhor para abril em cinco anos


;Fracasso é uma possibilidade por aqui. Se as coisas não estão fracassando, você não está inovando o suficiente;


Elon Musk, fundador da Tesla e um dos homens mais ricos do mundo. Neste ano, as ações da empresa caíram 40% e uma das razões é a dificuldade da Tesla em produzir carros elétricos

Huawei prepara plano B

Os chineses não estão dispostos a depender do humor do presidente dos EUA, Donald Trump. Uma das empresas na ;lista dos excluídos; americana, a Huawei não quer mais passar pelo sufoco do início da semana, quando o Google anunciou que o Android não poderia ser acessado em seus smartphones. A fabricante asiática promete ter o seu próprio sistema operacional, primeiramente disponível para o mercado chinês. A expectativa é de que o recurso comece a ser utilizado em outros mercados em 2020.

Rapidinhas

Após registrar crescimento modesto por dois anos consecutivos, a venda de não medicamentos nas farmácias voltou a subir com força no primeiro trimestre de 2019. O comércio de produtos de higiene, cosméticos, perfumaria e conveniência avançou 10,64% entre janeiro e março, para R$ 4,07 bilhões.


Os debates em torno da reforma da Previdência resultaram em novos negócios no mercado segurador. É isso o que mostra um levantamento da multinacional Mongeral Aegon. De acordo com a pesquisa, no Distrito Federal a procura por planos privados de previdência complementar da seguradora aumentou 39% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2018.


Maior produtora de açúcar e etanol do país, a Raízen lançou uma tecnologia capaz de identificar mais rapidamente o teor de sacarose da cana. O processo, que antes levava 40 minutos, vai demorar agora cinco. A mudança se deve à inteligência artificial, que é capaz de apontar com 100% de precisão o nível de impureza na cana colhida


Em comunicado enviado a funcionários, a Embraer informou ontem que a joint venture resultante da fusão com a Boeing vai se chamar Boeing Brasil ; Commercial. A nova empresa é fruto da venda de 80% da divisão de aviação comercial da Embraer para a companhia americana, fechada em julho do ano passado.


BDMG busca parcerias em Madri
O presidente do BDMG, Sergio Gusmão Suchodolski (foto), foi um dos palestrantes da 49; reunião ordinária da assembleia geral da Associação Latino-Americana de Instituições Financeiras para o Desenvolvimento (Alide), realizada esta semana em Madri, na Espanha. Suchodolski apresentou as principais ações do banco para fomento da inovação e do desenvolvimento sustentável em Minas e destacou a experiência do BDMG em buscar parcerias para projetos que promovam o crescimento da economia mineira. ;Buscamos parceiros estratégicos para atuação em PPPs, sobretudo em iluminação pública, para financiamento de estudos e projetos técnicos;, afirmou no evento.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação