Protesto com livros

Protesto com livros

postado em 26/05/2019 00:00
 (foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil)
(foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil)


Em encontro com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, um grupo de educadores que venceu o prêmio ;Professores do Brasil; levantou livros de Paulo Freire durante fotografia oficial. Entre os 30 professores presentes ao evento, em um hotel no bairro de Pinheiros, ao menos 8 tinham o livro de Paulo Freire em mãos ; alguns ergueram seus exemplares durante a foto ao lado do próprio ministro.

;Foi uma manifestação respeitosa e silenciosa. Soubemos na sexta que ele participaria do encontro. Então, pensamos em colocar a nossa posição contra o corte de recursos para as universidades. E também mostrar a importância do educador Paulo Freire;, comentou a professora Ana Beatriz Maciel, 34 anos.

Questionado sobre a manifestação dos professores, Weintraub disse respeitar opiniões diferentes das dele. ;Ela tem o direito de dizer ;Viva Paulo Freire;. Eu também tenho o direito de dizer que o único lugar que segue Paulo Freire é o Brasil. Quando você tem uma pesquisa que é boa, um antibiótico, uma aspirina ou um avião, os outros tendem a copiar. Ninguém quis copiar Paulo Freire e nossos resultados são ruins.;

No encontro, o ministro criticou o que ele chama de ;narrativa; que pretende mostrá-lo como inimigo dos professores. ;Eu quero saber como está sendo gasto o dinheiro ; que não está indo para vocês;, disse Weintraub. Ele reforçou que aquilo que ele vem pedindo às universidades é transparência.

Sobre as críticas que vem recebendo, Weintraub disse que tem sido até chamado de nazista pelos críticos. ;Nada mais horroroso para alguém que teve familiar que foi para um campo de concentração ser chamado de nazista.; Em outro momento, o ministro divulgou o seu celular particular para os professores presentes ao evento. A assessoria de Weintraub afirmou que o ministro tem o hábito de divulgar o seu telefone e que o ato não tinha nenhuma relação com os últimos acontecimentos envolvendo o MEC e a deputada federal Tabata Amaral (PDT). Na última quarta-feira, Tabata afirmou que processará o ministro por divulgar o número de telefone pessoal dela.

Criado pelo Ministério da Educação, o prêmio ;Professores do Brasil; tem o objetivo de valorizar, reconhecer, divulgar o trabalho dos professores da rede pública nacional. Os premiados são docentes de todo o Brasil, que seguirão para Quebec e Ottawa, no Canadá.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação