Visto, lido e ouvido

Visto, lido e ouvido

Desde 1960

Circe Cunha (interina) / circecunha.df@dabr.com.br
postado em 02/07/2019 00:00

Síndrome do Imperador na política nacional

Um fenômeno dos tempos atuais tem chamado muito a atenção de psicólogos e mesmo de áreas ligadas à antropologia e à sociologia, tem deixado em estado de choque não apenas os pais em muitas famílias e vem tendo seus reflexos negativos notados agora, também, em muitos setores da sociedade e, sobretudo, dentro do governo e da política.Trata-se da chamada Síndrome do Imperador, diagnosticada nos fins do século 20 por psiquiatras europeus e que, em sua origem, foi observado apenas no comportamento voluntarioso de certas crianças dentro do círculo familiar.

Essa síndrome decorre, basicamente, do comportamento narcísico de pais que, por meio de uma postura ;neurótica; e, de certa forma doentia, passam a acreditar na ideia de que têm a obrigação de fazer seus filhos felizes a qualquer custo. Com isso, constroem um mundo em torno da criança em que a frustração ou quaisquer tipos de obstáculos da vida desaparecem como por um passe de mágica. Dessa maneira, pais vão dando vida a pequenos tiranos, que são impedidos de crescer e de sentir as múltiplas contrariedades reais apresentadas pela vida.

Esses pequeninos não são capazes de esperar, criar, negociar, ceder ou se frustrar. Da família, que é a célula da sociedade, esses ;adultos-mirins; saem e vêm compor hoje muitos setores da vida adulta, inclusive dentro do Estado e do governo. E é aí que o perigo mora. É verdade que ainda são muito insipientes as pesquisas que indicam, dentro de parâmetros científicos, que essas e outras características dessa síndrome estão presentes em indivíduos com relevantes cargos ou funções dentro dos governos. Não só no Brasil, mas em muitos outros países na atualidade. Ocorre, no entanto, que esse comportamento exótico tem sido observado, com frequência cada vez maior, em atitudes e mesmo na condução de assuntos de grande importância para toda a sociedade e, não raro, culminam em atos que deixam transparecer sinais de que se tratam de adultos com comportamento infantil e birrento e que não admitem contestações, são intransigentes e não cedem a argumentos mesmo quando estão diante de fatos indiscutíveis.

Em alguns casos, quando alçados a posições em que lhes permitem confeccionar ou executar leis, não se intimidam em criá-las ou impô-las, visando objetivamente dar proeminência a si e aos seus grupos de apoio.Tem sido cada vez mais comum associar o comportamento de certos políticos com a Síndrome do Imperador. Um apanhado mais atento na biografia de algumas destacadas autoridades da atualidade revela que muitas dessas lideranças que aí estão, conduzindo os destinos de nações inteiras, apresentavam, desde a infância, características fortes e marcantes que compõem o perfil do indivíduo com a Síndrome do Imperador.

Isso é um problema evidente dentro do mundo político, embora se saiba, desde a fundação do Estado, que o poder político se baseia na posse dos instrumentos com os quais se exerce não apenas a força física, mas as vontades e os humores dos mandatários. Não é por outro motivo que muitas prioridades da sociedade passam a ser subordinadas às prioridades do grupo dominante e intransigente. Assim é que esses ;imperadores; começam a reivindicar também o monopólio da força, dentro de princípios de relações antagônicas que reduzem o Estado ao choque de amigos contra inimigos, como num jogo de disputa infantil.

A política para esses novos imperadores se resume numa guerra constante. Com isso, a própria atividade política perde seu mais alto e maduro objetivo que é o espírito republicano. O pior é que a ausência de um comportamento equilibrado passa a ter influência negativa sobre a sociedade, já que a ética da vida pessoal passa a se estender à ética do Estado. De fato, parece que estamos vivendo num mundo cada vez mais infantilizado, e isso é perigoso, uma vez que o bem comum passa a ficar em segundo plano, prevalecendo tão somente o desejo do poder desses imperadores modernos.

A frase que foi pronunciada

;A cadeirinha não foi proibida. Se você precisa de lei para proteger o seu filho, o problema não é do Bolsonaro, é seu.;
Frase anônima, solta na Internet, mostrando a inutilidade de toda celeuma ocorrida à época da intenção de substituir a multa por advertência.

Partida
Dr. Paulo Andrade de Mello, neurocirurgião, cientista dedicado ao trabalho, sempre atento aos estudos da profilaxia das doenças do cérebro. Um entusiasta pelo ser humano. Pioneiro ativo da cidade, um gênio com uma humildade impressionante. Ajudou a formar os neurocirurgiões da cidade e pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia teve o projeto de treinamento reconhecido como um dos programas mais importantes do mundo. Recebeu um prêmio em Boston por isso, fato registrado por essa coluna. Fica o reconhecimento pelo trabalho de importância fundamental exercido pelo Dr. Paulo Andrade de Mello. Nossos sentimentos à família. No Blog do Ari Cunha, entrevista publicada por Vera Pinheiro, em 11 de outubro de 2012, em que o doutor Paulo Mello fala sobre sua trajetória até a medicina.

História de Brasília
Até hoje o ministro Tancredo Neves não referendou o decreto 51394, de 20 de novembro de 1961. Trata-se da anunciada reclassificação do pessoal do IAPI, que recebeu apenas a assinatura do sr. João Goulart. (Publicado em 24/11/1961)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação