Bem-vindos à era sinistroyka

Bem-vindos à era sinistroyka

Devana Babu
postado em 02/07/2019 00:00
 (foto: Thaís Mallon/Divulgação)
(foto: Thaís Mallon/Divulgação)


A banda Rios Voadores estava praticamente aposentada quando descobriu que o projeto de gravação de um segundo álbum foi contemplado pelo FAC (Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal). ;A gente não ia fazer um álbum provavelmente tão cedo, só que o Marcelo (Moura, guitarrista) tinha, por acaso, inscrito a gente, meio que de graça. A gente estava na boa. O projeto passou e ficou essa questão;, explica Tarso Jones, tecladista e vocalista da banda.

Resolveram aceitar a oportunidade do destino. ;A gente não esperava ganhar;, conta a vocalista Gaivota Naves. ;A banda estava num processo de declínio. Acabou que, com o projeto, a gente se reuniu;, exulta. Ela, Tarso e Marcelo são companheiros também na banda Joe Silhueta e, com as gravações, fortaleceram a amizade com o baixista Beto Ramos e o baterista Hélio Miranda, com quem fundaram o grupo em 2011, gravaram o primeiro disco em 2014 e o lançaram em 2016.

O primeiro passo foi a seleção do repertório, processo que levou quase um ano. Tarso, prolífico compositor que faz seu exercício assiduamente, passou a vasculhar as gavetas como o produtor Gustavo Hafeld. A música mais antiga, Plateia, foi composta há 10 anos., enquanto a mais nova, Miga Sua Loka, surgiu durante as gravações, em parceria com Gaivota. A vocalista contribuiu ainda com a faixa Cinzas, composta a menos de um ano.

Baixo Asa Norte
Nave Nova é da safra recente de Tarso e foi composta em homenagem à parceira Gaivota, que em 2017 sofreu um grave acidente que desfigurou seu rosto. Como se não bastasse, o baixista Pedro Souto, da banda Almirante Shiva, morreu precocemente pouco tempo depois, em decorrência de um aneurisma. Pedro era companheiro de Gaivota e um amigo querido de todo o grupo, que, entrementes, se autodenominava Movimento Grogue.

Os dois eventos abalaram profundamente o grupo de jovens artistas e boêmios que se uniu, entre outras coisas, pelo amor à banda Som Imaginário, cujo show assistiram em 2009, e que varava madrugadas fazendo Jam Sessions, trocando ideias, produzindo arte e alimentando o imaginário da Mitologia Grogue na República Cenoura, no Baixo Asa Norte, onde morava Guilherme Cobelo. O primeiro álbum homônimo da Rios saiu neste mesmo ano. Pouco depois dos eventos traumáticos, Tarso compôs a música para a parceira Gaivota. ;É quase um gospel, algo do tipo ;vamos em frente;. Uma dose de esperança;, analisa o compositor. Por acaso, ou por obra do espírito da época, a banda Aiure, do mesmo círculo da Rios, compôs também a música Pedras Soltas, em homenagem a Pedro Souto. Coincidentemente (ou não), uma melodia presente nos dois arranjos era similar, e permaneceu na mixagem final da faixa, como uma citação.

Garimpo
Depois de um ano de garimpo, a banda passou os meses de fevereiro e março lapidando as composições, fabricando os arranjos e ensaiando. No fim do mês, entraram no estúdio Sala Funarte, epicentro fonográfico do Movimento Grogue, e gravaram tudo em seis dias, ao vivo e sem overdubs. Tarso, que também toca teclado, preferiu gravar os vocais separadamente, mas Gaivota, livre no vocal, mandou na hora, com a banda. ;Dá uma potência, uma casa mais de pele;, descreve.

O resultado é um álbum honesto, sincero, simples e sofisticado. Leve e pesado, como um avião que carrega toneladas, mas voa livremente. O peso fica por conta da temática, que reflete os tempos sinistros em que vivemos. A leveza fica por conta das melodias marcantes, da voz poderosa de Gaivota e dos arranjos enxutos que enxugam a psicodelia de outrora num produto que pende mais para a canção do que para o rock. O toque final é o estilo debochado, que ri da desgraça.

;É o nosso momento Loki;, compara Gaivota, em referência ao álbum de baladas confessionais lançado por Arnaldo Baptista após sair dos Mutantes e se jogar do quarto andar de um hospício. De maneira semelhante, a Rios Voadores fez a travessia dos riffs e temas despojados de uma época inocente para a maturidade de uma era sinistroyka. ;O momento de tomar ácido com cogumelo já passou. Mas a gente ainda toma;, brinca a vocalista.

;É um disco mais duro, mais urbano, que fala sobre pagar contas e não dar conta. Melancolias e coisas do universo mais adulto, eu acho;, reflete Gaivota. O nome que batiza o disco e descreve uma época que vem de um poema não publicado de Tarso, um fluxo de ideias beatniks quando o termo apareceu pela primeira vez e entrou para o vocabulário dos grogues. Não se trata de uma obra pessimista: ;É um assombro diante da impotência e do ponto a que chegamos;, sintetiza Tarso.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação