Maia teme por novos destaques

Maia teme por novos destaques

O presidente da Câmara dos Deputados está confiante na próxima rodada de votação da reforma da Previdência na Casa, mas afirma que voto em separado de temas polêmicos pode prejudicar o ganho fiscal já conquistado

Alessandra Azevedo
postado em 17/07/2019 00:00
 (foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados - 10/7/19
)
(foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados - 10/7/19 )




Diante dos 379 votos favoráveis à reforma da Previdência conseguidos em primeiro turno, na última quarta-feira, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não acredita que a proposta seja rejeitada pelo plenário na próxima rodada de votação, no início de agosto. Ele se preocupa, porém, com as mudanças que podem passar, por meio de destaques, depois de aprovado o texto-base. Maia acredita que as votações, em separado, de temas polêmicos da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019 podem desfigurar a reforma e prejudicar os ganhos.

;Às vezes, um destaque gera um prejuízo, uma perda de economia muito grande, que poderia atrapalhar o resultado final da aprovação da PEC;, alertou o presidente da Câmara, ontem, depois de encontro com líderes partidários, na residência oficial. ;Não pode errar no quórum. Não pode errar nos destaques;, reforçou, após conversar com líderes do DEM na Câmara, Elmar Nascimento (BA); da Maioria, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB); do PP, Arthur Lira (AL); do PSDB, Carlos Sampaio (SP), e outros deputados.

Na reunião, os parlamentares fizeram uma ;radiografia; dos resultados das mudanças aprovadas. No primeiro turno, os deputados emplacaram quatro destaques: o da bancada feminina, um para diminuir em cinco anos o tempo de contribuição dos homens e outros dois para garantir idades mínimas menores para a aposentadoria de policiais e de professores. O impacto fiscal ainda não foi divulgado pelo governo, mas pode chegar a R$ 100 bilhões em 10 anos, de acordo com estimativas de consultores legislativos.

Se os destaques apresentados pelo PT, por exemplo, tivessem sido aprovados, a perda fiscal superaria R$ 300 bilhões. Os números mostram que, para conseguir manter a economia com a reforma por volta dos R$ 900 bilhões na próxima década, não bastam votos no segundo turno, é preciso garantir que os deputados favoráveis estejam no plenário depois da aprovação do texto-base, para barrar as últimas tentativas de mudanças da oposição. ;A gente viu a dificuldade que tivemos em alguns destaques, em alguns momentos, até pela redução do quórum;, lembrou Maia.

Quórum

Segundo Maia, é mais difícil manter os deputados no plenário, em especial nos horários próximos do almoço ou do jantar. ;O quórum reduz. Então, tem que administrar isso direito;, afirmou. O objetivo das conversas dos últimos dias é chegar a 6 de agosto, quando a reforma começará a ser debatida em segundo turno, ;sem nenhum tipo de risco; de que o resultado seja diferente da vitória conquistada em 10 de julho. A Câmara retoma o assunto daqui a três semanas, assim que acabar o recesso, que começa oficialmente amanhã.

Depois de aprovada pelos deputados, a reforma irá para avaliação dos senadores. O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), acredita que a matéria já tem entre 54 e 60 votos favoráveis, mais do que os 49 necessários para que passe no plenário. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), calcula que serão necessários entre 45 e 60 dias para concluir a análise da reforma. O palpite de Bezerra é que a tramitação acaba até 20 de setembro.

Antes de ser analisado pelo plenário, o texto ainda precisa ser debatido na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. A presidente do colegiado, Simone Tebet (MDB-MS), não acredita que a tramitação termine em menos de 60 dias. O relator será o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que já avisou que vai apresentar uma PEC paralela para incluir estados e municípios na reforma.



;A gente viu a dificuldade que tivemos, em alguns momentos, até pela redução do quórum"
Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação