Crônica da Cidade

Crônica da Cidade

A servidão voluntária

por Severino Francisco >> severinofrancisco.df@dabr.com.br
postado em 26/07/2019 00:00
Furo! Esta coluna conseguiu uma entrevista exclusiva com Etienne de La Boétie (1530-1563), autor do Discurso da servidão voluntária, um dos livros preferidos de Renato Russo. Fala, La Boétie.

Quem cria a servidão?
É o povo que se escraviza, que se decapita, que, podendo escolher entre ser livre e ser escravo, se decide pela falta de liberdade e prefere o jugo, é ele que aceita o seu mal, que o procura por todos os meios.

Por que os déspotas
prevalecem?
Esse que tanto vos humilha tem só dois olhos e duas mãos, tem um só corpo e nada possui que o mais ínfimo entre os ínfimos habitantes das vossas cidades não possua também; uma só coisa ele tem mais do que vós e é o poder de vos destruir, poder que vós lhe concedestes.

Poderia dar um exemplo
do comportamento dos déspotas?
Quase sempre o déspota considera o poderio que lhe foi confiado pelo povo como se devesse ser transmitido a seus filhos.

O que é preciso para que um povo
se livre da servidão voluntária?
É preciso fazer algo contra o tirano?
Não é necessário lhe tirar nada, basta que ninguém lhe dê coisa alguma. Não é preciso que o país faça coisa alguma em favor de si próprio, basta que não faça nada contra si próprio.

Qual a responsabilidade
em relação à liberdade?
Todos nós nascemos não só senhores da nossa alforria, mas também com condições para a defendermos.

O que é preciso
para libertar-se?
Que mais é preciso para possuir a liberdade do que simplesmente desejá-la?

Como tantos se deixam
enganar ou iludir?
Uma coisa é certa, porém: os homens, enquanto neles houver algo de humano, só de deixam subjugar se foram forçados ou enganados. Muitas vezes, perdem a liberdade porque são levados ao engano, não são seduzidos por outrem, mas sim enganados por si próprios.

O conluio dos opressores é invencível?
Eles não constituem também
uma rede de amizade?
O que torna um amigo seguro do outro é o conhecimento de sua integridade. Entre os maus, quando se juntam, há uma conspiração, não uma sociedade; eles não se entre-apoiam, mas se entre-temem. São cúmplices.

A servidão não é a vontade
de um Deus liberal?
De minha parte, penso, e não me engano, que nada há de mais contrário a um Deus liberal e bondoso do que a tirania e que ele reserva aos tiranos e seus cúmplices um castigo especial.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação