Mozart ganha homenagem

Mozart ganha homenagem

Irlam Rocha Lima
postado em 06/08/2019 00:00
 (foto: Edy Amaro/Esp. CB/D.A Press - 2/4/16)
(foto: Edy Amaro/Esp. CB/D.A Press - 2/4/16)

Com um legado que inclui algo em torno de 600 obras, Wolfgang Amadeus Mozart é, ao lado de Franz Joseph Haydn e Ludwig Beethoven, um dos expoentes do classicismo, período da música sinfônica, camerística e operística, no século 18, marcante pela excelência do sentido estético. O mestre austríaco é tema do concerto que a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro apresenta hoje, às 20h, no Cine Brasília.

;Mozart é um compositor obrigatório nas temporadas das orquestras profissionais em todo o mundo, e sempre estará presente no programa dos nossos concertos, até mais de uma vez na temporada;, destaca Cláudio Cohen, maestro regente da OSTNCS. ;No concerto desta terça-feira, vamos executar inicialmente a abertura da ópera Clemenza di Tito, que tem cinco minutos de duração e apresenta os principais temas a serem desenvolvidos na peça;, acrescenta.

Em seguida haverá a execução do Concerto de clarineta, que Cohen classifica como uma obra-prima. ;Seu adágio é um dos mais belos da história da música, peça obrigatória do repertório de todos os clarinetistas;, enaltece. A solista será a premiada clarinetista Renata Meneses, do naipe de madeira da Orquestra Sinfônica.



Ápice

A Sinfonia 39, ;ápice do classicismo;, a ser apresentada no encerramento do concerto, ;inicia-se com uma introdução lenta, seguida de parte rápida, dentro de um estilo galante. O último movimento é virtuoso e brilhante;, define o maestro. ;Pelo grau de dificuldade, é peça cobrada em concursos para ingresso em orquestras;, complementa. A duração é de, aproximadamente, 30 minutos.

Renata Meneses, nascida em Santos (SP), integra a sinfônica desde 2000, após ser aprovada em concurso. A clarinetista iniciou os estudos musicais na adolescência com o pai José Meneses, tendo em seguida ingressado na Escola de Música de Cubatão, sob a orientação do professor e maestro Roberto Farias, na década de 1990. À época, fez parte da Banda Sinfônica daquela cidade e a Orquestra Sinfônica Municipal de Santos.

Logo depois, Renata bacharelou-se em clarineta pelo Instituto de Artes (Unesp), na classe dos professores Sérgio Burgani (clarineta) e Arcádio Minczuk e Peter Dukaberg (música de câmara). ;Fui integrante também, da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo e primeira clarinetista da Orquestra Sinfônica Municipal de Santos;, lembra.

Em junho de 2001, a clarinetista ganhou uma bolsa da Scholl of Music, em Boston (EUA), para participar do International Clarinet Connection. ;Tive aulas com alguns dos melhores clarinetistas da atualidade, Alessandro Carbonare (Orquestra de Santa Cecília/Roma), Ricardo Morales (Orquestra Filadélfia) e Jonathan Cohler (New England Conservatory);, conta. ;No ano seguinte, fui contemplada com bolsa da Vitae, para ter aulas com Manfred Reis, clarinetista da Orquestra Filarmônica de Berlim.

Durante quatro anos, entre 2001 e 2005, Renata foi professora de clarineta da Escola de Música de Brasília e, de 2009 a 2015, do Projeto Música e Cidadania sediado no Paranoá. ;Atualmente curso psicanálise clínica, conhecimento que pretendo, no futuro, unir com a música e trabalhar com crianças e menores infratores;, anuncia.

Segundo a clarinetista, é comum integrantes de diferentes naipes da Orquestra Sinfônica serem escolhidos para serem solistas em concertos do grupo. ;Eu me sinto lisonjeada com a escolha para ser solista dessa importantíssima obra de Mozart, no concerto desta terça-feira, em que a obra do compositor suíço estará em destaque;.



Concerto da OSTNCS
Sob a regência do maestro Cláudio Cohen, tendo a clarinetista Renata Meneses como solista, hoje, às 20h, no Cine Brasília (entrequadra 106/107 Sul). Entrada franca, sujeita à lotação. Acesso a partir das 19h30. Classificação indicativa livre.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação