Mudança de hábito

Mudança de hábito

postado em 21/08/2019 00:00


Para reverter o avanço da obesidade no país, é preciso travar estratégias. No âmbito da indústria, é necessário reduzir o padrão hipercalórico dos alimentos. No campo dos hábitos de vida, a saída é estimular alimentação saudável e prática de exercícios. ;O Ministério da Saúde está desenvolvendo políticas de saúde, sobretudo, voltadas para as crianças, população na qual a educação é capaz de reverter hábitos;, diz o titular da pasta, Luiz Henrique Mandetta.

Ao olhar as políticas públicas, o ministro reconhece que, dentro do sistema de saúde, um dos profissionais menos aproveitados na caminhada de construção do SUS foi o profissional de educação física. ;A saúde se utilizou muito da enfermagem, muito dos médicos, psicólogos e dentistas, mas praticamente não se utilizou do educador físico. Nossa população de meia-idade desperta, a um ritmo muito baixo, para as praças e parques, para a caminhada, quase por orientação médica;, ressalta.

Programas

Alguns números, sublinha o ministro, apontam que a estratégia de focar nas crianças está no caminho certo. ;Mais de 4 mil municípios, de 5,5 mil, aderiram ao programa Crescer Saudável, que visa intensificar ações de controle, prevenção e tratamento da obesidade infantil, levando a um padrão alimentar mais saudável;, sustenta. ;Este ano, vamos fazer, pela primeira vez, o Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enane), que consiste em pesquisas para entender como o mãe atua como provedora alimentar;, explica.

O objetivo é trabalhar 15 mil domicílios em 123 municípios selecionados, para avaliar o consumo alimentar, antropometria e indicadores bioquímicos. ;Vamos fazer questionário sobre consumo alimentar, medir peso e altura. Saber o que essas crianças comem, como comem, qual a periodicidade. Entender se a propaganda dos alimentos na hora dos programas infantis tem o padrão que o Conar (Conselho Nacional de Autorregulação Publicitária) exige e se há ou não relação com os hábitos alimentares das crianças;, detalha.

O foco na atenção básica também faz parte da estratégia do ministério. ;A atenção básica é espinha dorsal de qualquer programa de saúde que queira trabalhar o modo de vida, promoção de saúde, medidas de prevenção. E estamos promovendo uma reestruturação no nosso sistema de saúde, vindo da atenção primária. Começamos com aumento de horas de porta aberta das nossas unidades básicas de saúde, de 40 horas semanais para 75 horas;, conclui.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação