Piratas, acadêmicos, artistas e generais

Piratas, acadêmicos, artistas e generais

postado em 01/09/2019 00:00
Um mal-entendido que correu mundo e ficou célebre pode servir como retrato dos laços extensos e profundos entre os dois países: a frase, atribuída ao general Charles de Gaulle, então presidente da França, segundo a qual ;o Brasil não é um país sério;. Ela circulou em 1963, no episódio conhecido como ;a guerra da lagosta;, um contencioso em torno de direitos de pesca. Foi desmentida mais tarde pelo embaixador brasileiro em Paris à época do incidente, Carlos Alves de Souza, que assumiu a autoria da declaração, mencionada em conversa informal e particular. Três décadas mais tarde, o presidente francês Jacques Chirac voltou ao tema para, além de isentar De Gaulle, elogiar a capacidade do Brasil para ;tratar com seriedade a gestão pública sem perder o charme;.

Formalidades à parte, a atração mútua remonta praticamente ao desembarque de Pedro Álvares Cabral, em 1500. As incursões repetidas de piratas franceses na costa da colônia recém-descoberta, em busca do pau-brasil, levaram Portugal a reforçar o patrulhamento e intensificar a ocupação do litoral. Em meados do século, o militar e diplomata Nicolas Durand de Villegagnon instalou na Baía da Guanabara a França Antártica, primeira empreitada da França para encravar um entreposto no Brasil.

A investida, que incluiu alianças com os índios tamoios e tupinambás, foi derrotada em menos de duas décadas, mas está na raiz da fundação do Rio de Janeiro. Inspirou nova tentativa no atual Maranhão, a França Equinocial, que resultou em São Luís. Rendeu também o enredo para Como era gostoso o meu francês, filme de 1971, dirigido por Nelson Pereira dos Santos.

Paixão de cinema
O namoro cinematográfico teve expressões também do outro lado do Atlântico. Em 1959, Marcel Camus lançou Orfeu do Carnaval, alegoria inspirada em peça teatral de Vinícius de Moraes. O ;poetinha; está presente em outro flerte franco-brasileiro, insinuado em 1966, por Claude Lelouche, no celebrado Um homem, uma mulher. O protagonista, vivido por Jean Louis-Trintignant, canta para a contraparte, interpretada por Anouk Aimée, uma versão em francês do Samba da bênção, de Vinícius e Baden Powell.

Se a França dos reis absolutistas estimulou indiretamente a colonização portuguesa, o iluminismo do século 18, que nutriu a Revolução Francesa de 1789, esteve na base de movimentos que acompanham a independência do Brasil. No mesmo ano da proclamação da república francesa, seus ideais inspiravam a Inconfidência Mineira. Ainda com maior identidade, eles estariam presentes na Confederação do Equador, liderada por Frei Caneca, em Pernambuco, em 1824 ; já sob o reinado de Pedro I. O próprio Grito do Ipiranga, no 7 de setembro de 1822, foi a culminância de um processo iniciado com a vinda da família real portuguesa para o Brasil, em 1808, fugindo das tropas de Napoleão Bonaparte.

Positivismo
Embora o Reino Unido tenha sido a potência econômica preponderante no Brasil Império, a influência intelectual da França se enraizou ; entre outras fontes, no positivismo de Auguste Comte, que impregnou gerações de militares. Não por acaso, a jovem república contratou a Missão Militar Francesa, em 1919, para instruir e reequipar as Forças Armadas. Mesmo depois da aproximação com os Estados Unidos, fruto da participação da FEB na 2; Guerra, a referência sobreviveria na forma do apelido dado aos generais ligados à Escola Superior de Guerra que protagonizaram o golpe de 1964: ;turma da Sorbonne;, a célebre Universidade de Paris.

A academia francesa, por sinal, tem alguns de seus nomes ilustres inscritos na história do ensino superior no Brasil. O antropólogo Claude Lévi-Strauss e o historiador Fernand Braudel tiveram participação destacada, nos anos 1930, no estabelecimento das escolas de ciências humanas da Universidade de São Paulo (USP), a mesma que teve entre seus expoentes, décadas mais tarde, o hoje ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ; que, como exilado durante o regime militar, lecionou sociologia na Universidade de Nanterre. (SQ)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação