Interpretação de texto

Interpretação de texto

postado em 23/09/2019 00:00
 (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)


Clara Almeida, 17, segue raciocínio semelhante ao de Matheus. ;Além dos simulados, acho também que leitura é uma parte muito importante, porque a prova tem muita interpretação de texto. Sempre gostei de ler e acho que conhecer obras, principalmente brasileiras, são importantes para a prova de linguagens.;

Para a professora Teresa Cristina, a interpretação de texto é, de fato, o mote principal do exame. ;O Enem tem privilegiado muito esse lado. Os alunos têm que ler cada texto com atenção, ficando no limite das informações presentes ali. O candidato precisa estar atento para o que está posto e o que se exige, pois, se não está no texto, não é condizente com o que se pede;, observa a professora do Centro de Estudos da Língua Portuguesa.

Sendo assim, vocabulário, repertório e capacidade de pensar as funções da linguagem são fundamentais. No Enem, a cobrança da gramática pura fica um pouco de lado. ;Nada de regras de gramática da sintaxe, mas o trabalho com a língua portuguesa. Muitas pessoas vão para a prova com essa ideia de que serão perguntadas sobre classificação de sujeito, predicado e assuntos semelhantes, mas não é assim;, exemplifica Teresa Cristina.

;No ano passado, dava para fazer várias questões só com base no texto;, afirma Larissa Calazans, 17. ;De vez em quando cobram algo de gramática, mas a maior parte dá para pegar só pelo texto;, concorda Arthur Menezes.

Hábito de leitura
Mas calma lá. Embora concorde com a centralidade de interpretação de texto na prova, a professora Cléa Maduro vê uma armadilha na difusão desse pensamento. ;Ouço muito isso dos meus alunos: ;Enem é só ler;. Sou contra, na medida em que fica parecendo que não é preciso estudar;, contrapõe. ;Se o candidato lê um texto de Vinícius de Moraes sem saber previamente da história e do contexto de produção do autor, não chega à questão com a segurança nem velocidade;, exemplifica. ;Hoje, o que está em voga é a aplicabilidade do que você aprendeu ao longo de sua experiência como estudante. É preciso bagagem sociocultural.;

O remédio, não tem jeito, é ler mais e mais. ;O hábito da leitura traz vocabulário e conhecimento, especialmente atualidades no Brasil, que foi tendência em 2018;, diz a professora Teresa Cristina. ;O diálogo com obras de filosofia, sociologia e literatura também é fundamental;, afirma Neusa Nepomuceno. A candidata Natália Klein, 17, tem retomado a prática aos poucos. ;Costumava ler mais ficção e isso ajudava. Não gosto muito de ler, mas leio as obras obrigatórias de vestibulares;, reconhece.

;Leia e assista a tudo que lhe traz prazer. Vá ao cinema, assista aos filmes e observe de que maneira você pode interpretar cada cena. É um exercício diário, no qual elevo minha capacidade;, recomenda Cléa Maduro. ;Leitores são pessoas críticas da realidade;, sintetiza Dani Ribeiro.

* Estagiária sob supervisão de Jairo Macedo




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação