Falta informação

Falta informação

postado em 23/09/2019 00:00
 (foto: Daniela Santos/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Daniela Santos/Esp. CB/D.A Press)





Professor da rede pública do Distrito Federal e doutorando em educação especial pela Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB), Roger Pena pontua que, apesar de todos os recursos oferecidos pelo exame, parte dos candidatos com deficiência acaba esbarrando na falta de informação. ;Muitas vezes, a pessoa com deficiência não tem a clareza de que ela tem direitos de acessibilidade no Enem, nas próprias universidades e em outras políticas.;

Ele espera maior mobilização do governo e da sociedade para expandir o conhecimento acerca de políticas de inclusão. ;É preciso publicizar mais esses direitos, nas próprias redes de educação, criando campanhas, esclarecendo e debatendo essas questões.;

O estudante do terceiro ano do ensino médio no Centro de Ensino Médio 2 de Ceilândia, João Lucas Cardoso, 18 anos, tem deficit de atenção e vai fazer o Enem pela primeira vez. Ele conta que ficou confuso no momento da inscrição. ;Eu não sabia muito o que fazer. Assinalei a opção de pessoa com deficiência, mas não sei se vou ter uma ajuda a mais;, comenta.

A subsecretária de educação inclusiva e integral da Secretaria de Educação do DF, Vera Barros, admite a falha de comunicação, mas vem trabalhando para suprir as demandas. ;A partir do ano que vem, vamos levar para a rede pública de educação todas essas informações sobre o Enem.;

Recentemente, a subsecretaria lançou o programa Enem Inclusivo e Especial, um cursinho preparatório para o exame exclusivo para alunos da rede pública com deficiência. Vera diz que a iniciativa é uma forma de lidar com o problema da falta de informação. ;Sabendo dessa questão, a gente trouxe na aula inaugural alguns professores voluntários. Eles vão esclarecer como funciona a prova e a avaliação, o que são esses recursos, como pedir e, inclusive, as questões das cotas.;

Chegar a todos os cantos do país não é fácil, reconhece o presidente do Inep. ;Procuramos orientar por meio de coletivas de imprensa, nas redes sociais e sites, além de blogs que acompanham o Enem. Claro que não é perfeito, pois são milhões de pessoas inscritas. Nesse sentido, os professores também têm um papel muito importante em nos ajudar;, diz o presidente do Inep. O assunto já chegou até ao tema da redação: em 2017, a proposta de dissertação falou do direito à educação da pessoa com deficiência.





Tempo preocupa
Beatriz Ferreira também terá acompanhamento de um ledor e uma hora a mais disponível. Hoje, o Inep oferece a opção de pessoas com qualquer tipo de deficiência ou autismo, dislexia, deficit de atenção e discalculia, solicitar o recurso desse tempo extra. Normalmente, os candidatos dispõem de cinco horas e meia de prova na primeira etapa e cinco horas na segunda.

Roger Pena explica que é importante o exame pensar as horas de aplicação na perspectiva da deficiência. ;Muitas vezes, o processo de compreensão da pessoa com deficiência demora um pouco mais. Às vezes, a leitura é mais complexa, assim como a própria compreensão ou a locomoção. São condições que dificultam a realização do exame;, diz. O tempo, portanto, também pode ser sinônimo de acessibilidade. ;É um fator que pode ampliar direitos e garantir que essas pessoas participem do certame em pé de igualdade com pessoas que não têm deficiência;, completa.

Kléber Caverna, professor da rede pública e em cursinhos preparatórios para o Enem, acredita que o acréscimo de uma hora é suficiente para que o candidato consiga concluir a prova. ;Tem algumas áreas que são mais puxadas, mas, no geral, é suficiente. Há prejuízos para o aluno, até por conta do cansaço, somado à tensão e ao estresse.;

Alessandra Pereira, 18, pensa que o tempo pode complicar a vida dela, especialmente na escrita da redação. A estudante do Centro de Ensino Médio 01 (CEM 01) do Paranoá fará o Enem pela primeira vez e receia não concluir a prova. ;Você não sabe o que vai cair. Tem que desenvolver o texto e isso acaba tomando muito tempo.;

A estudante tem uma doença congênita que afeta o desenvolvimento dos músculos. Apesar de ter feito a solicitação de atendimento, ela não vai fazer a prova com os recursos de acessibilidade, pois o pedido foi recusado. ;Pedi o recurso de adaptação da mesa, mas não foi aceito. Até consigo fazer a prova, mas é uma dificuldade a mais;, lamenta.

* Estagiária sob supervisão de Jairo Macedo




PALAVRA DO ESPECIALISTA

Inclusão x acessibilidade


A gente não pode confundir inclusão com acessibilidade. Inclusão é um conceito muito maior, de garantir oportunidades para um grupo que, historicamente, é excluído de políticas públicas, e acesso à educação. Quando você trabalha com acessibilidade, o que está garantindo são alguns recursos, para que essa pessoa realize um exame, trabalhe ou vá a escola. O fato de garantir acessibilidade não é garantir inclusão. Incluir é aceitar o outro que é diferente e precisa de uma abordagem diferente.

O Enem e outros vestibulares querendo ou não, trabalham com parâmetros, até por ter esse caráter classificatório. O que se discute muito nesse modelo é a questão da acessibilidade. De uma série de recursos, de serviços e profissionais que vão te garantir alguma acessibilidade. Mas a inclusão é muito mais ampla do que isso.

Roger Pena, doutorando em educação especial




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação