Brasília-DF

Brasília-DF

por Leonardo Cavalcanti (interino) » leonardocavalcanti.df@dabr.com.br
postado em 24/09/2019 00:00


A apreensão dos diplomatas
com Bolsonaro na ONU


A minuta preparada pelo corpo diplomático do Itamaraty chegou ao Planalto com cinco sugestões para o presidente Jair Bolsonaro discursar na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) ; a defesa da soberania da Amazônia; a condenação do regime de Nicolás Maduro na Venezuela; o alinhamento com o norte-americano Donald Trump; a posição pró-Israel no conflito do Oriente Médio; e o estímulo ao livre comércio e à cooperação regional para o combate ao narcotráfico. O Correio teve acesso a trechos do documento dos diplomatas ; com detalhes a seguir.
; ; ;

Cada um dos pontos, tratados como eixos, tem uma estratégia de política internacional, mas valem para o presidente falar para a audiência brasileira. Um discurso na ONU, entretanto, passa por várias mãos. E assim o corpo diplomático teme uma mudança radical na minuta original apresentada pelo Itamaraty. O texto final foi fechado pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e pelo assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais Felipe Martins.

Dor de cabeça I

A questão é o tamanho da dor de cabeça que Bolsonaro pode causar nos servidores de alto escalão do Itamaraty com um discurso mais agressivo. ;Esperamos algo contundente, mas com equilíbrio, algo que não descambe para provocações vazias;, disse um servidor do corpo diplomático
brasileiro que preferiu
não se identificar. Tradicionalmente, desde 1947, o presidente da República do Brasil é o primeiro a falar na Assembleia Geral da ONU. Bolsonaro discursa nesta terça-feira, às 9h (horário
de Brasília).

Dor de cabeça II

Para cada um dos eixos há uma estratégia própria do pessoal do Itamaraty. No caso da soberania, o que se pretende é deixar claro que o maior interessado nos assuntos da Amazônia é o Brasil, numa resposta à não participação na cúpula de mudanças climáticas nesta segunda-feira. Uma das considerações a ser feita é que as queimadas na Amazônia ocorrem, segundo o governo, por questões sazonais e estão relacionadas à época seca no país. O receio é de que Bolsonaro avance sinais de maneira agressiva, criticando diretamente chefes de Estado ; algo que deve ocorrer, talvez não nominalmente.

Eixos I

O segundo eixo do discurso de Bolsonaro será a condenação do regime de Maduro, antecipado na declaração do Grupo de Lima ; do qual o Brasil faz parte ;, que ;rechaçou os sucessivos obstáculos do regime ilegítimo e ditatorial; da Venezuela. A referência a Trump, que estará numa das partes do texto do capitão reformado, trata-se da reafirmação da proximidade com os Estados Unidos, incluindo aí a indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada em Washington.

Eixos II

Outra novidade será o discurso francamente pró-Israel, ao contrário dos antecessores petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, que, em 2012, defendeu na Assembleia Geral a soberania da Palestina para redução dos conflitos no Oriente Médio. ;Apenas uma Palestina livre e soberana poderá atender aos legítimos anseios de Israel por paz;, disse Dilma na época. Por fim, os diplomatas alertaram a Bolsonaro que destacasse a Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul. O objetivo aqui é buscar argumentos para ganhar uma vaga no Conselho de Segurança da ONU.

Curtidas

Despreparo I / O discurso do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (foto), e da equipe de segurança do estado é medonho. O político esperou 48h para reafirmar a ação estúpida do confronto, em que cinco crianças foram abatidas apenas este ano. O mais despreparado, entretanto, é o secretário de Polícia Civil, Marcus Vinícius Braga ; o camarada tem uma presunção poucas vezes vistas entre autoridades públicas.


Despreparo II / O assassinato da menina Agatha Félix, de 8 anos, como se sabe, desestruturou o plano anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro. O que o ex-juiz não esperava era ser citado e defendido por Witzel na desastrosa coletiva ontem. Parte dos integrantes da pasta da Justiça, principalmente os militares, é contra a divisão criada por Witzel na antiga secretaria de Segurança. Vale lembrar que o Exército esteve no comando da intervenção do Rio até o ano passado.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação