ARTIGO

ARTIGO

CLAUDIA DIANNI claudiadianni.df@dabr.com.br
postado em 05/10/2019 00:00




Uma agenda para Salles

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, está em viagem ao exterior e cumpre uma agenda que chegou a ser questionada por, supostamente, não revelar encontros com representantes das indústrias químicas e automotivas. A questão, porém, não é com quem ele se encontra, mas o que discute, desde que, é claro, com transparência. É preciso conversar e traçar um plano de futuro não apenas com os agentes da economia limpa, mas também com as clássicas indústrias poluidoras para encontrar soluções urgentes.

Em entrevista ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, Salles disse que ainda é preciso questionar quão grande é a contribuição humana para mudança do clima. O ministro pode até discordar dos 95% de certeza do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) com relação à ação humana ter causada mais da metade do aumento de temperatura na terra entre 1951 e 2010. De novo, a essas alturas, ação é mais importante do que opinião. A mudança aconteceu. Não temos tempo para discutir se a Terra é plana ou se mudança climática é conspiração marxista. É preciso agir para preservar a vida no planeta e continuar discordando.

No Brasil, incêndios florestais geram bilhões de toneladas de gases de efeito estufa. Qual é a nossa estratégia para controlar as queimadas e reduzir as emissões, inclusive a partir da queima de combustíveis fósseis ? A pecuária brasileira é alvo de críticas e preocupações por ser uma das mais importantes emissoras desses gases, com cerca de 17% do total das emissões nacionais. Como vamos reduzir?

Por que não estamos propondo leis que obriguem o consumo e a produção sustentáveis, que lidam com o ciclo de vida das atividades econômicas? Sabemos que as desigualdades sociais podem comprometer a sustentabilidade das economias e que tecnologias são disruptivas. Temos 13 milhões de desempregados. Por que não estamos nos dedicando a criar postos de trabalho de baixo carbono que absorvam mão de obra de baixa qualificação? De acordo com a Organização Internacional do Trabalho, até 2030, a economia verde poderia criar até 24 milhões de postos de trabalho apenas para o desenvolvimento da economia circular, em atividades relacionadas à reciclagem, reparos, aluguel e remanufatura, que substituirão o modelo econômico tradicional de extração, fabricação, uso e disposição.

O que estamos fazendo para planejar alternativas ao impacto do aumento da temperatura dos oceanos na vida das pessoas, uma vez que há previsões de que o aumento do nível do mar vai gerar um movimento migratório sem precedentes. Porto Alegre, Florianópolis, Rio de Janeiro, Recife e Belém são exemplos de cidades que enfrentarão ameaças críticas. Como disse Greta Thunberg, ;por que ainda não elevamos essas discussões ao topo das prioridades?;



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação