Banco público dá a largada

Banco público dá a largada

postado em 16/11/2019 00:00
A Caixa anunciou, nesta semana, a redução das taxas mínimas do cheque especial, de 8,99% para 4,99% ao mês, a partir de dezembro. Anualizando os percentuais, equivaleria a uma derrubada de 181% para 79%. No entanto, a medida só vale para clientes que possuem conta-salário e aderiram ao plano ;Agora sim;, lançado em agosto. Para esses correntistas, segundo a instituição, o decréscimo foi de 63% em relação ao que era cobrado para o cheque especial até julho, antes do lançamento do pacote.

Para os clientes do banco com conta-corrente, e que também aderiram ao ;Agora sim;, a taxa passou de 8,99% para 5,94% ao mês. O banco não informou a taxa cobrada fora do plano. De acordo com o Relatório de Taxas de Juros do BC, na semana encerrada em 31 de outubro, a Caixa cobrava, em média, no cheque especial para pessoa física, juros de 9,38% ao mês. Para comparação: no Banco do Brasil, era de 12,17%; no Bradesco, 12,26%; no Santander, 14,73%; e no Itaú, 12,44%.

A Caixa afirmou, em nota, que a taxa para clientes com salário no banco pode chegar até 1,89% ao mês, conforme relacionamento com a instituição. ;A nova redução faz parte da estratégia do banco de aumentar a sua base de clientes e reforçar o seu posicionamento de mercado, oferecendo taxas de juros mais justas, com um pacote atrativo, que vai auxiliar na democratização responsável do crédito e na fidelização de clientes;, esclarece.

Para o pacote de relacionamento Caixa Sim (conta-corrente, cesta de serviços e cartão de crédito), passou de 8,99% para 5,94% ao mês. Para quem recebe o salário pelo banco, saiu de 13,05% para 4,99% ao mês. No rotativo do cartão de crédito, diminuição de 11,8% a para 9,99% mensais.

Ainda segundo o Relatório, até 31 de outubro os bancos que mantêm operação no Brasil cobravam, no especial, para pessoas físicas, taxa mensal entre 0,63% e 16,14%. Nessa modalidade, o percentual mais alto é do Banco Mercantil do Brasil. Para pessoas jurídicas, os juros do cheque mensal variam de 5,2% a 14,12%. Anualizando, a tarifa oscila entre 83,74% e 387,95%. O banco que mais cobra é o Sofisa.

*Estagiários sob a supervisão de Fabio Grecchi

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação