Proteção que faz a diferença

Proteção que faz a diferença

Independentemente da cor da pele, o filtro solar deve ser usado diariamente. Em várias texturas e formatos diferentes, é um dos maiores aliados contra o câncer de pele

Por Marcella Freitas*
postado em 08/12/2019 00:00
 (foto: Fotos: Divulgação)
(foto: Fotos: Divulgação)
Dermatologia e filtro solar andam de mãos dadas. E essa relação ; que se mantém firme e forte ; tem um propósito imutável e universal: prevenir manchas, envelhecimento precoce e câncer de pele. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), são estimados mais de 165 mil novos casos de câncer de pele no Brasil no ano de 2019, sendo 85.170 em homens e 80.140 em mulheres.

;Esses dados justificam uma maior atenção das autoridades para a questão da fotoproteção, uma vez que o câncer de pele já se tornou um problema de saúde pública no país;, afirma Lucas Portilho, farmacêutico e diretor científico do Instituto de Cosmetologia e Ciências da Pele.

Pensando nesses dados ; somados à chegada do verão ;, o mês de dezembro se tornou o símbolo da campanha contra o câncer de pele. O Dezembro Laranja foi criado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia para alertar a população sobre a importância da prevenção da doença. O câncer de pele é provocado pelo crescimento anormal das células que a compõe.

Alessandro Guedes, dermatologista e especialista nesse tipo de câncer, adverte que o sol é um fator de risco. ;A exposição solar é importante e necessária para a produção de vitamina D, mas é preciso ter cuidado. O excesso de sol sem nenhum filtro de proteção é um dos fatores que pode levar ao câncer de pele. Ao notar qualquer mancha ou pinta acastanhada ou enegrecida, nódulos avermelhados ou uma ferida que não cicatriza é importante procurar um dermatologista;, afirma.

Ação eficiente

O filtro solar age como um bloqueador dos raios ultravioletas emitidos pelo sol, impedindo que este penetre nas camadas mais profundas da pele. Os chamados filtros físicos fazem com que a pele não absorva os raios porque contêm substâncias refletoras. Já nas formulações químicas, a atuação dos ingredientes é mais complexa, explica a dermatologista Simone Neri.

;Quando os raios atingem o corpo, encontram moléculas do produto que absorvem a energia do sol. A absorção agita as moléculas, que ficam em estado de excitação, voltando em seguida ao estado natural, o que faz com que a pele receba uma fração de energia solar menos agressiva e reflita o restante;, esclarece.

A especialista aconselha que o filtro solar tenha, no mínimo, FPS 30 e PPD 4. Porém, para as pessoas de pele mais clara, deve-se dar preferência aos filtros com, no mínimo, FPS 60 e PPD 8, para garantir uma maior proteção. Em creme, gel, spray ou até em dermocosméticos, a checagem do fator de proteção vem sempre em primeiro lugar.

Os fotoprotetores orais devem ser usados de maneira complementar aos filtros solares tradicionais, atuando como um reforço de proteção. Como age de forma sistêmica na proteção do DNA celular, enquanto os protetores tópicos funcionam unicamente no local aplicado, as cápsulas não conseguem bloquear a penetração dos raios ultravioletas na pele ; mas amenizam.

;Atualmente, o mercado conta com novas fórmulas excelentes de proteção solar, mas não há substituição para o protetor tópico. Independentemente de qual for o seu produto preferido, lembre-se de reforçar a aplicação durante o dia e manter a constância. O protetor é para ser usado todos os dias, sem falta;, reforça a médica.

*Estagiária sob supervisão de Sibele Negromonte

Por dentro do PPD e do FPS
Existem dois fatores de medição de proteção solar: FPS e PPD. O FPS diz respeito ao filtro dos raios ultravioletas do tipo B, que são os raios que o sol emite e que causam aquela aparência mais vermelha na pele e queimaduras solares. Já o PPD é o fator de medição da proteção contra os raios ultravioletas A, que são os emitidos pelo sol que penetram profundamente na pele e que causam um dano progressivo ; são os maiores responsáveis pelos danos a longo prazo nas células e pelo temido câncer de pele.


Photoage CC Powder Médio FPS 63, da Dermage (R$ 112,90)


Nutriprotetor em cápsulas, Isdin SunIsdin (R$124,85)


Sun Beauty Expert para peles oleosas, da Nivea (R$ 49,99)


UV Oil Defense FPS 80 Tinted, da SkinCeuticals (R$ 199,90)


Bastão de protetor solar FPS 50, da Neutrogena (R$ 56,31)


Anthelios Airlicium Antioleosidade com cor, da La Roche-Posay (R$ 85,41)


Base e corretivo com FPS 50, da Av;ne (R$ 114,90)


Protetor solar com cor em bastão, da Pink Cheeks (R$69,90)


Idéal Soleil Anti-idade com cor, Vichy (R$80,91)


Photoage Wet, Dermage (R$59)

Como aplicar o produto
O produto deve ser aplicado ainda em casa e reaplicado ao longo do dia a cada duas horas, se houver muita transpiração ou exposição solar prolongada. A quantidade mínima deve ser equivalente a uma colher de chá rasa para o rosto e três colheres de sopa para o corpo. Espalhe uniformemente, de modo a não deixar nenhuma área desprotegida. O filtro solar deve ser usado todos os dias, mesmo quando o tempo estiver frio ou nublado, pois a radiação UV atravessa as nuvens.
Para os bebês mais novos, antes dos 6 meses, não é recomendado o uso de nenhum produto. A proteção contra o sol se resume a evitar, sempre que possível, os raios ultravioletas. Deve-se reforçar o uso de protetores físicos em forma de chapéu, bonés, camisetas fechadas, de manga comprida e, de preferência, com fotoproteção.
Fonte: Simone Neri, dermatologista

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação