Guerreira da educação

Guerreira da educação

ROBERTA PINHEIRO
Roberta Pinheiro
postado em 13/12/2019 00:00
 (foto: Flávia Canavarro/Divulgação)
(foto: Flávia Canavarro/Divulgação)


O poder da transformação. Transformar quintal em palco, peteca em caneta, balão em abóbora, tijolo em cadeira, carência em riqueza. Idealizado pela atriz Tatiana Quadros, com direção de Renato Carrera e adaptação de Rafael Souza-Ribeiro, o espetáculo musical Malala, a menina que queria ir para a escola é a primeira adaptação teatral do livro-reportagem da escritora e jornalista Adriana Carranca.

Contada em primeira pessoa, a peça narra a viagem de Adriana ao Paquistão, dias depois do atentado à vida de Malala por membros do Talibã, por defender o direito de meninas à educação. ;Ela se questiona o porquê uma menina de 15 anos sofre um atentado tão brutal por querer ir à escola e, nessa jornada, se depara com o universo da tribo de Malala e o poder de transformação por meio da educação, do amor e da liberdade. São três palavras-chave que guiam a história, o que aconteceu e o caminho;, detalha Tatiana.

O relato da menina que nasceu em uma sociedade patriarcal e tribal, mas que, pelo olhar do amor e das oportunidades, sobretudo promovido pelo pai, um educador e ativista político, é transfigurado e encenado no palco a partir de uma ótica brasileira. Malala, a menina que queria ir para a escola é um espetáculo corporal, com dança, música ao vivo, projeções e interpretação, além de muitas brincadeiras no quintal de uma casa. ;Os personagens não são fixos paquistaneses, são contadores de histórias. Fazemos tudo de uma forma lúdica e poética. Tudo foi pensado a partir da ideia de transformação. A Malala transforma o mundo de alguma forma pela possibilidade de educação que recebeu, de se expressar e queremos ampliar isso para os outros;, comenta a atriz.

Apesar da ênfase, a interpretação e à narrativa, canções costuram as cenas trazendo leveza, poesia e graça. Entre o repertório do espetáculo, estão três músicas inéditas escritas pela cantora Adriana Calcanhoto. ;Nesse momento, trabalhar com cultura, com teatro, falar de Malala, sobre o quanto a educação é fundamental e seu o oposto é a barbárie, não é uma arte simples. A gente acredita que é possível, também, transformar essa situação que a gente vive, não é uma questão de partido ou posicionamento político. Sentimos que está faltando muita resistência e amor, amor à arte e à humanidade;, finaliza Tatiana.

Serviço
Malala, a menina que queria ir para a escola
No Teatro da Caixa Cultural Brasília. Hoje, amanhã e domingo, sempre às 17h. Ingressos: R$ 16 (inteira) e R$ 8 (meia-entrada) Livre para todos os públicos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação