Brasília-DF

Brasília-DF

Denise Rothenburg » deniserothenburg.df@dabr.com.br
postado em 24/12/2019 00:00

Servidores públicos, a próxima fronteira


Que tributária, que nada. No rastro da reforma da Previdência e dos decretos de extinção e congelamento de cargos de ontem, o governo apostará em 2020 na reforma administrativa. É que, depois da Previdência, a despesa que mais cresce é a de pessoal. Descontada a inflação, aumentou R$ 263 bilhões nos últimos 12 anos, conforme estudo divulgado nesta semana pela Instituição Fiscal Independente (IFI). O documento mostra, ainda, que, se os vencimentos e vantagens recebidos pelos agentes públicos de 2013 a 2018 tivessem seguido a mesma taxa de variação do setor privado formal, o valor teria sido R$ 32 bilhões menor. É aí que a área econômica pretende avançar em 2020.

Falta combinar com os congressistas, mais embalados na reforma tributária do que na administrativa. É que, em ano eleitoral, as excelências preferem dar boa notícia para o contribuinte, nem que seja a pura e simples simplificação dos impostos, do que mexer com servidor público, que já perderá com a reforma da Previdência.


Excludente e trabalho


Há pelo menos dois projetos do governo que terão dificuldades de aprovação no Parlamento, em 2020: o excludente de licitude e a carteira de trabalho verde e amarela. É que, em ano eleitoral, dizem os deputados, não dá para cortar direitos dos trabalhadores. Seria dar discurso ao PT e aos sindicatos.


Sem folga


A cúpula do Aliança pelo Brasil comemorou mais de 130 mil assinaturas coletadas em apenas três dias. Do total, 70 mil já estão com as fichas encaminhadas e firmas reconhecidas, prontas para serem enviadas para os sistemas dos cartórios eleitorais. Nesse ritmo, diz o segundo vice-presidente, Luiz Felipe Belmonte, será possível chegar a mais de 800 mil assinaturas até o fim de janeiro de 2020. A coleta de assinaturas não parará nesse período de festas.


Público feminino


A deputada Bia Kicis passou o domingo nas redes sociais, pedindo engajamento das mulheres para a criação do novo partido do presidente Jair Bolsonaro, o Aliança Pelo Brasil. ;Os homens são 70% e as mulheres, 30%. Vamos lá mulherada!”, apelou. Ela explicou, inclusive, que não se tratava de filiação, apenas de apoio para a legenda existir.


Para bons entendedores;


A loja de chocolates de Flávio Bolsonaro virou alvo de curiosos e de adversários da família. Nesta semana, o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) explorou a loja em um vídeo que exibiu em suas redes sociais. Perguntou qual chocolate ali custava R$ 21 mil, pesquisou os produtos mais caros (na faixa de R$ 200) e, no meio da visita, saiu-se com esta: ;Ih, olha o que eu achei! Chocolate com laranja;.


Curtidas


;Genérico do Oscar;/ O Museu da Bíblia está entre o céu o inferno. Informada do projeto, a arquiteta Maria Estela Kubitschek (foto), filha de JK, não poupou críticas. ;Estão descaracterizando Brasília com dois detalhes fundamentais para a preservação da cidade e plantando genéricos dos projetos de Oscar Niemeyer;, criticou.

Autênticos de Oscar/
O arquiteto da cidade, que faleceu em 5 de dezembro de 2012, deixou dois projetos para completar sua obra na capital da República que já foram inclusive pagos, falta apenas executar: O sambódromo e a Praça do Povo. A praça deve ocupar a área entre o Teatro Nacional e o acesso de quem vem da L2 Norte para Eixo Monumental.

Por falar em Eixo Monumental.../ Estão adensando o Eixo Monumental de Brasília, que começa na Esplanada dos Ministérios e vai até a Rodoferroviária. Já tem centro de convenções, que não estava previsto, Museu de Athos Bulcão, vem ainda Memorial João Goulart e agora; Museu da Bíblia. Há, nos bastidores da política, quem compare Oscar Niemeyer a uma árvore natalina, à qual, invariavelmente, integrantes da família recorrem para buscar um presente.

; preservar é preciso/
A monumentalidade de Brasília está em seus espaços vazios e áreas verdes. Aí está um dos desafios para o novo secretário de Cultura, Bartolomeu Rodrigues.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação