Visto, lido e ouvido

Visto, lido e ouvido

Circe Cunha (interina) / circecunha.df@dabr.com.br
postado em 24/12/2019 00:00
O que será dos bons velhinhos?

Com mais pessoas idosas do que jovens, a reestruturação total de todos os serviços públicos, incluindo mudanças na infraestrutura das cidades oferecidas à população, será uma necessidade. Pelas estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a razão de dependência da população atualmente é de 44%, o que equivale a dizer que 44 indivíduos com menos de 15 anos e com mais de 64 anos dependem de cada grupo de 100 em idade de trabalhar.

Nas próximas três décadas, a população brasileira continuará a crescer, atingindo, ao final do ano 2047, 233,2 milhões de pessoas. Daí para frente, o número de brasileiros cairá gradualmente, chegando a se estabilizar em 228,3 milhões de pessoas no ano de 2060. Pelo menos é o que apontam os estudos contidos na revisão 2018 da Projeção de População elaborada pelo IBGE.

Por essas projeções, um em cada quatro brasileiros terá mais de 65 anos em 2060, e é aí que o país terá pela frente que enfrentar novas realidades e desafios. Nesse caso, tudo dependerá das medidas que vier a adotar desde agora, para não vir a ter surpresas desagradáveis e até trágicas quando esse futuro chegar. Além da queda média na taxa de fecundidade, haverá paralelamente um aumento na expectativa de vida dos brasileiros, passando dos atuais 72 para 77 anos no caso dos homens e de 79 para 84,5 anos para as mulheres em 2060. O envelhecimento da população será um fato, com a população com mais de 65 anos chegando a 25,5% do total daqui a 40 anos.

Em 2039, essa razão será de 51,5%, aumentando para 67,2% em 2060. Apenas com base nesses dados, ficam patentes que reformas no sistema de Previdência e de seguridade social, que, até o momento, não foram realizadas por questões políticas e eleitoreiras, terão que retornar à pauta, sob pena de simplesmente colapsar todo o sistema, empurrando uma imensa legião de brasileiros para a miséria. É preciso notar que o envelhecimento da população poderá acarretar uma redução sensível no Produto Interno Bruto (PIB) potencial. De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), parte do crescimento potencial do país, nas últimas décadas, derivou da força de trabalho que ainda crescia.

Com a mudança acentuada desse cenário daqui para frente, a situação deve se inverter, com o crescimento econômico encolhendo, assim como a força de trabalho e de contribuintes. Especialistas no assunto recomendam a busca e a exploração por novas fontes de expansão do PIB, como é caso de mais investimentos e de uma forte poupança interna. Questões simples como a requalificação dessa mão deobra mais idosa terão que ser pensadas, de modo a reinseri-las no sistema. Fora das variáveis econômicas, que são fundamentais, também questões mais simples e que dizem respeito ao dia a dia da população mais idosa deverão ser repensadas com urgência, como saúde, mobilidade, segurança, moradia, adaptação das cidades às necessidades específicas desse público, entre outros problemas.

O século XXI, pelo que já deu para observar, trará desafios ainda maiores para os brasileiros e, sobretudo, para os próximos governos. É possível mensurar a importância crescente no instituto do voto. Votar, agora, de forma esclarecida, em candidatos sérios, é mais do que necessário, é uma questão vital e dirá muito sobre nosso próprio futuro.


A frase que foi pronunciada

;Ergui um monumento mais duradouro que o bronze, mais elevado que as pirâmides dos reis. Nem a chuva cortante nem o vento devastador, nem a sequência inumerável dos anos nem a passagem das eras conseguirão destruí-lo. Não morrerei de todo, pois de Libitina (deusa da morte) grande parte de mim escapará.;

Horácio, poeta e filósofo. Séc. I aC, da Roma antiga.


Nunca

; Outra reclamação chega sobre o cartão para transitar no metrô. Apenas uma pessoa para atender a massa de passageiros. Ainda sobre transporte, o pessoal que mora na Asa Norte reclama demais da demora do ônibus que vai para Taguatinga. Infelizmente, o portal que dá essa informação com os horários está sempre desatualizado.


Descriminação

; Conversando com uma atendente no shopping, vislumbramos todas as possíveis razões para que um funcionário não tenha a permissão de concorrer a prêmios divulgados no local de trabalho. Conclusões absurdas. O fato é que a comunicação resolve tudo. Eles estão fazendo dobradinhas com colegas que trabalham em outros shoppings. Resolveram o problema.


Desrespeito

; De extremo mau gosto o humor do grupo Porta dos Fundos sobre a fé cristã. Sem mais comentários para não dar cartaz, conclui-se que o nome do grupo diz tudo. Pela porta da frente jamais conseguirão entrar.


História de Brasília

As passagens estão caríssimas, para que os passageiros tenham o tratamento que recebem. E fiquem sabendo, que tratamento não é aeromoça sorridente, uísque em viagem de meia hora. Tratamento é respeito pelo direito do passageiro, é avião em hora certa, é equipamento equivalente ao da passagem, é consideração ao passageiro nas ocasiões excepcionais.
(Publicado em 12/12/1961)



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação