Uma explosão bem superficial

Uma explosão bem superficial

Ricardo Daehn
postado em 08/01/2020 00:00
 (foto: Warner/Divulgação)
(foto: Warner/Divulgação)




Reabilitação e reparo de fortes injustiças: é nessa linha que os últimos filmes assinados por Clint Eastwood vêm trilhando. Num breve retrospecto, dá para se listar Sully: O herói do Rio Hudson (2016) e Sniper Americano (2014). Isso, descontada o apego pelas reconstituições ligadas a figuras heroicas como, no caso de 15h17: Trem para Paris, realizado há dois anos.

Com o novo filme, O caso Richard Jewell, Eastwood bifurca os propósitos, e, ao lado do mesmo roteirista de O preço de uma verdade e Capitão Phillips, Billy Ray, retrabalha versões para quem observa Jewell (Paul Walter Hauser, de Eu, Tonya), uma espécie de Forrest Gump, que objetiva o futuro na polícia, respeitando autoridades, e sendo partidário da ;lei e ordem;. Há ainda uma exagerada ingenuidade nele.

;Só se fala em você;, exalta a mãe de Jewell, Bobi (Kathy Bates, indicada ao Globo de Ouro), ao se maravilhar com os efeitos da mídia na vida do filho, promovido a herói, por, como agente de segurança, ter estancado maiores reflexos para um atentado à bomba, há 24 anos, no Centennial Park (Atlanta), durante os Jogos Olímpicos. Inescrupulosos agentes federais como Shaw (John Hamm, de Mad men) e Bennet (Ian Gomez) tratam de facilitar o pendor na balança da opinião pública determinada a considerar Jewell ;santo ou selvagem;.

A ambivalência nunca deixa de ser forte, em relação à figura do protagonista encarnado por Paul Walter Hauser, mas não acompanha a sombra da dúvida (de ter sido culpado ou inocente), e sim o incômodo de ser um cara eufórico (quando se trata de defender a irretocabilidade dos distintivos da polícia) e um verdadeiro paspalhão, ainda que desprovido de privacidade e de paz, pelo invasivo processo de investigação de autoridades dos Estados Unidos.

Até o ímpeto de optar por uma faceta mais determinada, Jewell desenha um desânimo, e não convence como alguém atordoado pelas manobras de inimigos perfeitamente definidos, entre os quais a carreirista, arrogante e sexualizada repórter Kathy Scruggs (interpretada com empenho, por Olivia Wilde).

Entre uma choradeira descontrolada, face à injustiça encarada por Jewell, ao menos um personagem transparece maior controle: o advogado Watson Bryant (Sam Rockwell, de Três anúncios para um crime). Se não demonstra sutilezas de fitas da ótima fase de As pontes de Madison ou Invictus, Eastwood ; cuja direção beira o constrangedor em cenas como as do câmpus universitário ; ao menos mantém uma carga de humor, em que a sentimental personagem Bobi (a perfeccionista Bates) responde por nobre acuidade.











Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação