Hora de curtir a colônia de férias

Hora de curtir a colônia de férias

Muitos pais voltaram a trabalhar antes do fim dos recessos escolares. Para não deixarem os filhos sozinhos, uma boa opção são as colônias de férias

CAROLINE CINTRA
postado em 12/01/2020 00:00
 (foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)



Passadas as festas de fim de ano, muitos pais voltaram à rotina do trabalho. As aulas das crianças, no entanto, começam apenas no início de fevereiro. Até lá, as famílias precisam adaptar a rotina para não deixar os filhos sozinhos e também elaborar atividades que visam entreter os pequenos para que gastem energia e não fiquem entediados no recesso escolar. As colônias de férias são boas escolhas para aqueles que não têm com quem deixá-los. Há opções em várias regiões do Distrito Federal e valores que cabem em todos os bolsos, de gratuitos a R$ 500. As mais caras, geralmente, acolhem os participantes em período integral, de segunda a sexta-feira.

Uma das principais programações ocorre na Fundação Jardim Zoológico, para crianças de 5 a 10 anos e começa amanhã. As atividades têm foco na educação ambiental, como interação com bichos como as antas e a girafa, visita ao setor de nutrição do Zoo, condicionamento das ariranhas e passeio com tatu-canastra. Nesta edição, as vagas serão divididas em duas turmas, a primeira entre 13 e 17 de janeiro, e a segunda de 20 a 24 de janeiro. Cada uma delas tem 30 vagas no valor de R$ 150 e R$ 15 com gratuidade para estudantes de escola pública.

A diretora de educação ambiental do Zoológico, Caroline Trombeta, ressalta que ter contato com a natureza é importante para o desenvolvimento das crianças. ;A gente está numa época tecnológica. As crianças têm contato com tecnologia em todos os lugares, recebem muitas informações, e isso também é bom. Mas os pais precisam ter um pouco de cuidado com os excessos. É importante que as crianças saiam um pouco de casa;, disse. Para participar das atrações do Zoo, é necessário usar boné, calça e filtro solar, pois todas as atividades estão programadas para ser realizadas ao ar livre. Em caso de chuva, as tarefas serão realocadas para um lugar coberto.


Em Águas Claras, a Colônia de Férias Arte de Viver ocorre na Creche e Berçário Pezinho no Chão, na Quadra 5, do Park Way, durante as férias, além de feriados especiais, como a Páscoa. As atividades acontecem em todo o espaço da instituição e atendem crianças de 2 a 12 anos. O intuito da idealizadora do projeto, Giselle Santana, é resgatar a cultura popular. ;Aqui a gente dá banho de mangueira, traz de volta as brincadeiras da nossa infância. E eles amam. Fazemos tudo para que possam socializar e interagir com os demais. Sou mãe de duas filhas e quando pequenas eu não tinha esse recurso. Acho bacana saber que estamos ajudando os pais;, disse.

A Arte de Viver oferece atividades de segunda-feira a sexta-feira. Há opções de meio período e período integral. Entre as tarefas há uma pausa para o lanche e almoço. Quem fica até as 18h, participa do jantar. No encerramento de cada semana, ocorre uma festa com música e contação de histórias. ;Como sou professora de musicalização também, acho importante que elas tenham essa experiência. Sempre gostei de misturar música e arte em sala de aula;, conta Giselle.

Até 26 de janeiro, quem visitar o Boulevard Shopping, na Asa Norte, vai encontrar uma escola sem aulas convencionais, nem professores ou provas, em uma estrutura de 82 m;, inspirada no seriado Escola de Gênios, do canal infantil Gloob. A atração é destinada a crianças de 4 a 10 anos e tem entrada gratuita. O circuito é realizado por período e tem vaga limitada. ;Assim como na série, na qual a genialidade dos alunos é estimulada, queremos que, ao visitarem o evento, as crianças possam aprender com atividades lúdicas, divertidas e que contemplam diversas áreas do conhecimento;, explica Luciane Neno, gerente de marketing e plataformas digitais dos canais Gloob e Gloobinho.

O espaço também estimula o raciocínio dos pequenos. ;O evento trabalha nas crianças o mundo do conhecimento a partir de uma linguagem inovadora e similar à que elas assistem na tevê. Aqui, elas terão muitos desafios intelectuais, busca por pistas e, ainda, trabalho em equipe;, conta Luana Peixoto, gerente de marketing do Boulevard Shopping.


Ao ar livre

;Gosto muito de estar na colônia de férias. Prefiro participar do futebol e do banho de mangueira;, disse Pedro Oliveira Lima, 4 anos. Desde os 2 anos, nas férias escolares, ele participa. A mãe de Pedro, a analista jurídica Luciana Soares Lima, 37, conta que ela e o marido não costumam tirar férias em alta temporada, porque os gastos são maiores, nos períodos de recesso do filho. Na hora de escolher o local onde deixar a criança, o casal avalia as atividades desenvolvidas. ;Gostamos que ele esteja envolvido em brincadeiras ao ar livre, roda, que estimulam a coordenação motora e resgatam as atividades de criança mesmo;, disse.

Para o militar Fábio Cardoso Reis, 37, apesar do valor das colônias de férias serem altos, o investimento vale a pena. ;Deixa a mente da criança ocupada e não fica entediada em frente a uma tevê. As crianças têm muita energia e precisam colocar isso para fora. Meu filho fica ansioso para vir. O preço é alto, mas o valor para ele compensa o que gastamos. Ele ama participar e não tem vontade de sair;, conta o pai de João Pedro Nunes Reis, 5.

Esta foi a primeira vez que Nathan Matias, 8, participa de uma colônia de férias, com os irmãos de 6 e 4 anos. Para ele, a experiência é satisfatória. ;Os monitores são de muita qualidade e estou bem feliz. É bom estar com meus irmãos aqui, apesar de não estarmos na mesma turma. Nos primeiros dias, eles não queriam me largar, mas agora ficam com as crianças da mesma idade deles. Eu brinco de tudo. Sou bastante competitivo e gosto de ganhar. Quando perco, fico chateado. Mas o importante é estar aqui;, afirma.

A bióloga Sabine Viana, 40, deixa os dois filhos, Gabriel Viana, 7, e Ângela Viana, 4, em período integral. Ela lembra que durante o ano letivo, eles ficam ansiosos à espera das colônias de férias. ;Quando não viajamos, eles sempre estão nelas. Eles participaram em dezembro, na semana antes do Natal. Agora, não, porque vamos viajar. Mas eles amam estar com amigos que fizeram nas férias. Não tem uma brincadeira preferida. Gostam das que envolvem todos;, disse.


Em casa

Para os pais que preferem deixar o filho em casa, a consultora da Rede Pedagógica ; um grupo virtual de educadores da América Latina ;, Erika Radespiel dá dicas de atividades que podem ser desenvolvidas em casa. Ela ressalta que, apesar de importante, a tecnologia priva a criança de se m

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação