Fala, zé humor

Fala, zé humor

por José Carlos Vieira josecarlos.df@dabr.com.br
postado em 12/01/2020 00:00
 (foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)

Poeminha
O amor comeu meu nome, minha identidade,
meu retrato. (...) O amor veio e comeu todos
os papéis onde eu escrevera meu nome.
João Cabral de Melo Neto



Extra! Extra!
Ainda bem que eles não assistiram a Monty Python, A vida de Brian (quero ver censurar, kkkk)



Frases do meu amigo best-seller Mosquito
;Descobri que sou corruptofóbico;

;Trump não devia ter saído da trompa;

;Não tem corretor ortográfico no celular do ;menistro da inducassão;;

;Presidente quer livros com poucas palavras escritas; (entendeu?)

;Desisti de jogar na Mega-Sena, vou apostar no Fundo Partidário;

;Tenho preguiça de explicar, porque você tem preguiça de entender;



Perguntar não ofende
Quando começa a safra de escândalos este ano?



Contemporaneidade
Aviso logo: rede social não é penico



Viva o recesso parlamentar
Brasília é mais Brasília quando não tem político na rua (ô, povinho)



Haicai errado
das coisas que
tenho medo, você
é a única que não desisto



Pronto pra Terceira Guerra Mundial



Um abração!! ( Desses de fé)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação