Pés no verão

Pés no verão

Com a chegada do verão, os pés se tornam mais vulneráveis e para exibi-los de forma saudável em rasteirinha e chinelos é necessário adotar alguns cuidados

Silvana Sousa*
postado em 12/01/2020 00:00
Micoses, unhas amareladas, rachaduras. Apesar de o verão ser sinônimo de férias e diversão, a época também esconde perigos, em especial para a região dos pés que se torna mais suscetível à ação de microrganismos e, consequentemente, é porta de entrada para as doenças mais comuns da estação.

Segundo a dermatologista Dra. Natália Medeiros, o aumento no número de infecções e contaminações nesta região do corpo se dá pela mudança de hábito. ;As pessoas passam a ter mais tempo descalças, ou com sapatos mais abertos, em contato com água, areia e frequentam mais locais públicos nessa época;, ressalta.

Um descuido muito comum apontado pela especialista é deixar de proteger os pés contra a incidência de raios solares. ;Apesar de poucas pessoas terem conhecimento, a pele dos pés também pode sofrer queimaduras. O dorso, por exemplo, é uma região muito fina, sensível e que queima facilmente;, alerta.

Entretanto, a prevenção é mais simples do que se imagina: higiene e hidratação. ;Para lavar os pés, o recomendado é utilizar sabonetes de Ph mais neutro, pois eles ajudam a evitar a proliferação de microrganismos. Quando for secá-los, é importante passar a toalha por entre os dedos, pois essa área está mais suscetível à umidade;, ensina Nathália.

A dermatologista recomenda que é necessário deixar os pés respirarem, ou seja, sandália e chinelos são os mais recomendados. Caso queira usar sapatos fechados, é importante se certificar de que estes possuem ventilação. ;Ainda é bom intercalar os calçados. Após utilizados, deixe-os ventilar e expostos ao sol para evitar a multiplicação de fungos;, recomenda.

Não é necessário deixar de curtir a praia ou a piscina por medo de doenças de pele, pois desde que haja os cuidados necessários, a diversão sem riscos é garantida. Ao perceber alterações, procure um profissional para tratamentos precoces e assim evitar maiores complicações ou infecções mais graves, recomenda a dermatologista.

* Estagiária sob supervisão de José Carlos Vieira





Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação