Tirem as crianças de casa

Tirem as crianças de casa

Evento ocupa o Centro Cultural Banco do Brasil, de hoje até o dia 26, com boa programação de shows e oficinas

Irlam Rocha Lima
postado em 16/01/2020 00:00
 (foto: Mila Petrilo/Divulgação)
(foto: Mila Petrilo/Divulgação)







Contemplar a diversidade de propostas estético-musicais e de estímulo à sensibilidade e à inteligência das crianças. Essta é a proposta básica do Musicar ; Festival de Música Infantil que, em sua terceira edição, ocupa de hoje a 26 próximo o Centro Cultural Banco de Brasil, com extensa programação, que inclui shows, oficinas, vivências musicais e instalações sonoras.

Entre as atrações artísticas do evento estão os brasilienses Circo Teatro Udi Grudi, os grupos musicais Pé de Cerrado, Concerto de Bolso e a trupe musical-performática Mambembrincante. Outros destaques são o cantor e compositor maranhense Tião Carvalho; a Farra dos Brinquedos (Rio de Janeiro), os oficineiros Mundo Aflora (São Paulo) e a cantora e instrumentista Irene Bertachini, de Belo Horizonte, que apresentará o espetáculo Cantigas para acordar o rio, inspirado na obra do escritor mato-grossense Manoel de Barros.

Idealizadora e curadora do Musicar, a musicista e educadora carioca Bebel Nicioli, entusiasma-se ao falar do festival. ;O grande mote desse encontro artístico é a música, que tem importância fundamental na formação do ser humano. Vemos na criança um público crítico, sensível e inteligente, que, num festival como esse, potencializa a relação com a música, já existente, como espectador de shows e ao participar de oficinas e interagir com as outras atividades da programação;.



O Musicar, segundo a curadora, foi estruturado para apresentar às crianças uma amostra da multiplicidade e diversidade de linguagens, repertórios e vivências, ;de forma que possam se envolver criativamente na brincadeira, no prazer da livre expressão, escutando, cantando, criando, tocando, dançando, percurtindo o corpo, com uma música em constante processo de invenção;.

Nicioli conta que a ideia de criar o Musicar surgiu em 2014, mas só pôde viabilizar o projeto três anos depois, com a acolhida dada pelo Centro Cultural Banco do Brasil.;Realizamos a primeira e a segunda edição em 2017 e 2018 em Brasília. No ano passado, não houve possibilidade promovê-lo, mas voltamos agora com entusiasmo redobrado;, comemora. ;Além de fazê-lo aqui na capital, o levaremos a Belo Horizonte, no próximo mês; e ao Rio de Janeiro e São Paulo no segundo semestre;, acrescenta.

Ao participar do Musicar pela primeira vez, a trupe do Udi Grudi celebra 20 anos de O cano, espetáculo clássico do grupo, que o levou a ser premiado em 2000 no festival Herald Angel, em Edimburgo, na Escócia. ;No festival, vamos fazer O cano em vários momentos. Embora já o tenhamos apresentado incontáveis vezes aqui na cidade, em vários locais ; recentemente esteve em cartaz no Espaço Cultural Renato Russo ;, continua despertando muito interesse do público, especialmente das crianças;, diz Luciano Porto, um dos integrantes do grupo.


Instalação sonora

Mas quem for ao CCBB poderá apreciar e interagir com outro trabalho do o Udi Grudi. Trata-se de uma instalação sonora, preparada especificamente para o Musicar. ;São 10 objetos sonoros que ao serem tocados e explorados pelas crianças e seus familiares emitirão algum som da natureza, como o de chuva, trovão ou o farfalhar de folhas secas;, explica Porto. ;Tudo foi feito com materiais descartáveis e alternativos;, complementa.

Tião Carvalho, reverenciado multiartista maranhense, radicado há mais de 30 anos em São Paulo, se tornou conhecido nacionalmente ao ter a canção Nós, gravada por Cássia Eller no CD e DVD Acústico MTV, em 2001. ;Com essa gravação, a Cássia contribuiu para alavancar minha trajetória artística. Depois disso, nos tornamos amigos e sempre nos encontrávamos, quando ela vinha fazer show em São Paulo;, lembra.


Um dos destaques do Musicar, ele adianta o que vai mostrar no festival. ;Sou cantor, compositor mas, há algum tempo, tenho trabalhado mais com a educação e formação das crianças, na Academia Musical que mantenho no Moro do Querosene, no bairro do Butantã, na capital paulista. Trago para esse festival mo CCBB o trabalho que desenvolvo com elementos da cultura popular brasileira, indo além, do conhecimento que acumulei e trouxe do Maranhão, representado por importantes manifestações como o bumba-meu-boi, tambor de crioula e dança do cacuriá;, destaca.

Para Tião Carvalho, ser convidado para tomar parte no Musicar é um reconhecimento ao trabalho realizado por ele. ;Sem querer ser pretensioso, faço é algo voltado para o fortalecimento da nossa cultura popular, que cresce paralelamente à grande mídia, e que precisa ser mostrada cada vez mais;. No festival, acompanhado pelo filho Noel Carvalho (musicista com formação acadêmica pela Universidade Federal de Goiás), ele estará à frente da oficina AS Roda Viva do Brincar, amanhã, às 10h, na Tenda Musical.




Programação

Instalação Sonora
; Com o Circo Udigrudi (DF). Local: Jardim do CCBB Brasília. Data: de 16 a 19 ; quinta-feira a domingo. e 21 a 26 de janeiro ; terça-feira a domingo. Horário das| 10h às 18h. Entrada gratuita


Show Mundo aflora
; Apresentação musical com o grupo Mundo Aflora (SP). Local Teatro I. Data | 16 de janeiro ; quinta-feira. Horário | 16h. Entrada | R$ 30,00 (inteira) R$ 15,00 (meia)


Oficina Brincando Mundo Aflora
; Com o grupo Mundo Aflora (SP). Local | Tenda Musicar. Data: 17 de janeiro ; sexta-feira. Horário | 10h. Entrada gratuita.


O cano
; Apresentação musical com o grupo Udigrudi (DF). Local:| Teatro I. Data: 17 de janeiro - sexta. Horário: 16h. Entrada R$ 30,00 (inteira) R$ 15,00 (meia)


Oficina Inventando Coisas Sonoras
; Com o grupo Udigrudi (DF). Local | Tenda Musicar. Data | 18 de janeiro - sábado. Horário: 10h. Entrada gratuita.


Mambembrincante
; Apresentação musical do grupo Mambembrincante (DF). Local: Teatro I. Data | 18 de janeiro - sábado. Horário: 16h. Entrada | R$ 30,00 (inteira) R$ 15,00 (meia)


A Roda Viva do Brincar
; Oficina com Tião Carvalho (MA). Local: Tenda Musicar. D

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação