O encanto de Maria Rita

O encanto de Maria Rita

Irlam Rocha Lima
postado em 31/01/2020 00:00
 (foto: Guto Costa/Divulgação)
(foto: Guto Costa/Divulgação)


Embora no início da carreira tenha se colocado como uma intérprete de MPB, Maria Rita não demorou muito para se tornar conhecida como sambista. Isso, desde que, em 2007, lançou o álbum Samba meu. Depois, vieram outros discos nos quais abriu espaço maior no repertório ao mais representativo gênero musical brasileiro.

Desde 2015, Maria Rita tem viajado pelo país com o show Samba de Maria, nome também do CD gravado ao vivo na Lapa, bairro boêmio do Rio de Janeiro. É com ele que a cantora está de volta à cidade para apresentação, hoje, na orla do Minas Brasília Tênis Clube. A programação, que inclui feijoada, tem na abertura o grupo 7 na Roda.

;Tenho feito este show no Brasil para grandes plateias. Ele me permite misturar sambas que lancei com sucessos, como Corpo só e Tá perdoado; clássicos do gênero, entre eles O bêbado e a equilibrista (João Bosco e Aldir Blanc), Vou festejar (Jorge Aragão, Dida e Neoci Dias), O homem falou (Gonzaguinha) e O meu lugar (Arlindo Cruz);, diz a cantora. Ela tem a companhia da banda formada por Leandro Pereira (violão 7 cordas), Fred Camacho (banjo e cavaquinho), Vinicius Feijão (pandeiro), Jorge Quininho (percussão) e Adilson Didão (percussão).

SERVIÇO

Maria Rita
Show da cantora e banda, com abertura do 7 na Roda, hoje, às 13h, na orla do Minas Brasília Tênis Clube (Setor de Clubes Norte).
Os ingressos custam R$ 180 (Camarote Arlindo Cruz), R$ 1.000, (mesas Beth Carvalho), R$ 800 (mesas Zeca Pagodinho) e R$ 700 (mesas sambar), com direito a feijoada e open bar. Sócios do Minas Brasília têm desconto de 15% no preço do ingresso. Recomendado para
menores de 16 anos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação