Sr. Redator

Sr. Redator

Cartas ao Sr. Redator devem ter no máximo 10 linhas e incluir nome e endereço completo, fotocópia de identidade e telefone para contato. E-mail: sredat.df@dabr.com.br

postado em 31/01/2020 00:00
Cinema

Costumo ler os artigos do ex-senador Cristovam Buarque publicados periodicamente no CB. Quase concordo com o que ele escreve como homem culto e honesto. Muitas vezes hilariante, como, naquela oportunidade, em que seu artigo publicado no Correio (18/9/16), definia a esquerda política brasileira como sendo ;exquerda; e não esquerda , referindo-se ao ;impeachiment; de 2016, como golpe de Estado. Lamento sua não reeleição em 2018, deixando um vazio no Senado a República. No texto publicado dia 28 último, o professor classifica os filmes podendo ser bons, clássicos ou filmes hinos. Como filme clássico eu consideraria Casablanca de 1942, de Michael Curtiz, com Humphrey Bogart e I. Bergman, ele, o professor Cristovam, classifica como filme clássico Shane, de 1953, que no Brasil foi projetado com a designação de Os brutos também Amam, trata-se de um filme para quem o assistiu guardar dele imagens e ideias inesquecíveis. Shane é um filme que trata da luta de trabalhadores sem-terra, humilhados e ameaçados por latifundiários prepotentes, que se propõem a ocupar terras de criaturas humildes que cultivam plantações e criam pequenos animais. Ao lado disso, existe no filme um romance discreto entre um forasteiro e uma mulher casada, como também a interpretação apaixonante de uma criança pelo seu herói.
; Ruy P. Valle,
Asa Norte

Papuda

Três detentos fugiram da Papuda, na madrugada de terça-feira. Há muito tempo isso não acontecia. Quem vive há muitos anos da cidade, sabe que, no passado, ocorreram fugas sensacionais, que mobilizaram dezenas de policiais. Alguns bandidos foram encontrados em outras unidades da Federação. Mas, naquele tempo, não havia tanta tecnologia disponível, que garantisse uma vigilância diuturna das celas da penitenciária. Tudo era mais rústico. Hoje, no entanto, é impossível não suspeitar que os foragidos tiveram a colaboração para fazer o caminho da fuga. Como conseguiram destruir uma parede às escondidas dos carcereiros? Mas virou tradição: janeiro é mês de confusão nas penitenciárias do país. Notei que, neste ano, a situação está atípica. Não houve rebeliões nem chacinas nos presídios brasileiros. Entre 2017 e 2019, as rebeliões, provocadas pelo crime organizado, deixou um saldo de mais de 250 mortes. E até hoje nada foi feito para reogarnizar o sistema penitenciário brasileiro.
; Paulo Américo Santos,
Águas Claras

Transparência

O grande debate nacional não está está entre a esquerda e a direita, mas entre moderno e arcaico. Na origem do arcaísmo está um mito a destruir: o de que o Estado pode criar recursos do nada, como se fosse possível lastrear a moeda no Hino Nacional. Isso posto, torna-se essencial explicitar quem paga as contas do Estado e como. O imposto de vendas ao consumidor nos Estados Unidos é um bom exemplo de como se consegue essa transparência: o imposto é cobrado em cima do preço do produto, diante do freguês, 8% em Nova York, 4% na Flórida, numa operação irritante, mas que conscientiza o contribuinte sobre quanto lhe custa o Estado. Lamentavelmente, o sistema tributário brasileiro não permite essa explicitação, uma vez que os impostos como IPI, ICM e outros são cobrados em várias etapas da produção, isto é, fatiados e vivem escondidos no preço final que se cobra do consumidor. Conviria estabelecer que, em todo produto com preço de venda marcado na embalagem, se discriminasse qual a parcela de impostos. O governo, por seu turno, explicitaria em orçamentos transparentes o que gasta, e à custa de quem. Sem transparência desse tipo, a democracia é uma farsa.
; Renato Mendes Prestes,
Águas Claras

Água

Ó água dos rios, lagos e oceanos. Ó água resultante da transpiração das plantas. Vós fostes pelo Sol aquecidas, evaporam, passaram do estado líquido para o gasoso. Suspensas na atmosfera transformaram-se em gelo. As nuvens ficaram pesadas e vós pegastes o caminho de volta. O gelo veio se derretendo e as gotas se uniram e ao chegar no solo, foi apavorante. Quanta fúria! Cidades foram destruídas. Houve gente que perdeu tudo. Houve gente que perdeu a vida. Ó águas que sobem e depois descem. Estamos apavorados. Tende piedade de nós. Nós vamos consertar o que fizemos de errado. Nós estamos contribuindo para o aquecimento global. Nós estamos destruindo o nosso verde. Há lugares em que a chuva faz estragos e há outros em que se morre de sede. Ó destruidores da natureza, o que será de nós?
; Jeovah Ferreira,
Taquari

Buritinga

O Centro Administrativo de Taguatinga, que seria ocupado por inúmeros órgãos do GDF está desocupado até hoje. Tem 178 mil metros quadrados de área construída. Agora, com o coronavírus, doença até o momento, difícil de cura, espalhando-se no mundo todo e causando terror, seria uma uma boa medida se o governador Ibaneis Rocha começasse a usar esse Centro e transformá-lo em um hospital de referência para acomodar e tratar pessoas com suspeitas desse mal. Como medidas principais: a) contratar, com urgência, médicos especializados; b) instalar UTIs; c) instalar material e máquinas necessárias aos exames; d) contratar pessoas especializadas em administração hospitalar; e) contratar vigilantes e outros empregados necessários ao bom desempenho do órgão; f) suprir o hospital de remédios e material necessário ao seu bom desempenho. Tudo com urgência e sem burocracia. Não é um sonho. O governo federal deu R$ 2 bilhões para o Fundo Eleitoral e ninguém reclamou.
; Evilázio Viana Santos,
Asa Sul



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação