Quebrando tabus

Quebrando tabus

Doença temida desde a Antiguidade, a hanseníase, hoje, tem tratamento e cura. Especialistas afirmam que diagnóstico rápido evita sequelas

Por Tayanne Silva*
postado em 29/03/2020 00:00
A hanseníase é uma doença negligenciada que pode atingir a pele e os nervos periféricos de qualquer pessoa, independentemente de idade. Enfermidade citada na Bíblia como lepra, ainda hoje, mesmo tendo tratamento e cura, não foi erradicada. De acordo com o Ministério da Saúde (MS), o Brasil é o segundo país, atrás apenas da Índia, com maior número de casos, atingindo mais de 27 mil brasileiros.

;É uma doença contagiosa, causada pela Mycobacterium leprae e a transmissão se dá por via respiratória, por meio de gotículas. O contato precisa ser prolongado, pois a infectividade é baixa;, afirma a infectologista Aline de Carvalho Costa, do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Adventista Silvestre.

Segundo ela, ao entrar no organismo, o bacilo desencadeia uma reação do sistema imunológico. ;A enfermidade pode levar anos para aparecer, após o contato. Normalmente, começa com manchas na pele. Muitas vezes, não são valorizadas e se demora até procurar por um diagnóstico. Isso contribui para o alastramento da hanseníase;, detalha.

O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são fundamentais para prevenir deficiências e incapacidades físicas, bem como quebrar a cadeia de transmissão. ;Essa enfermidade tem cura. Para isso, é preciso completar todo o tempo de tratamento, que pode levar até 12 meses.; A dermatologista Yana Lena explica como geralmente essas manchas aparecem: ;São esbranquiçadas e têm uma característica de ficarem adormecidas para o calor e o tato, mas pode evoluir para nódulos e inchaços no corpo todo.;

Os primeiros relatos da doença remontam aos primórdios da humanidade, quando os pacientes eram isolados da sociedade. Hoje, são conhecidos os mecanismos de transmissão, o desenvolvimento e o tratamento disponível. A doença deixa de ser contagiosa já no início do tratamento, e o indivíduo pode ter vida normal. Os principais mitos são que a doença pega ao toque, o que não é verdade, e que as pessoas irão perder os membros. ;Se for diagnosticada de forma precoce, a enfermidade pode ser curada sem sequelas;, afirma Yana.

Ela informa que hanseníase ainda está em nosso meio porque é uma doença de incubação, ou seja, pode demorar anos para se manifestar. ;É preciso um acompanhamento dos casos e de seus contactantes para ter um controle. Para isso, é preciso acabar com o preconceito e orientar e informar que é curável.;

Para a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), simples situações do dia a dia podem se tornar um transtorno para esses pacientes, pois a enfermidade provoca sensibilidade nas extremidades do corpo, provocando dormência e problemas secundários como queimaduras, cortes, machucados e bolhas.

De acordo com Viridiana Colombini, dermatologista do Hospital Hsanp, alguns indivíduos são classificados em relação ao número de lesões cutâneas, carga de bacilo e acometimento dos nervos periféricos, que podem ser mais graves em olhos, mãos e pés. ;Essas complicações podem deixar sequelas permanentes, pois atingem os receptores nervosos responsáveis pela visão e sensibilidade tátil;, alerta. ;Ou seja, as pessoas podem se machucar nos pés e não sentir, podem se queimar também e até ficarem cegas.;

*Estagiária sob supervisão de Sibele Negromonte

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação