Sopro de alívio na Itália e na Alemanha

Sopro de alívio na Itália e na Alemanha

postado em 04/04/2020 00:00
 (foto: Piero Cruciatti/AFP)
(foto: Piero Cruciatti/AFP)


A Itália registrou, ontem, uma diminuição na taxa de contágios por coronavírus, que se situou em cerca de 4%, apesar do número de mortes registradas ser de 766, o que aumenta o total de óbitos no país a 14.681.

Os dados divulgados pela Proteção Civil reforçaram as esperanças de que a Itália tenha superado o pico depois de ter se tornado o epicentro da pandemia da Covid-19 no último mês. O número de pacientes que foram declarados como totalmente recuperados aumentou em 17,3%, com 19.758 casos registrados.

A crise em algumas das regiões mais afetadas da Itália também parece estar diminuindo gradativamente. A região da Lombardia, no norte, na qual se concentravam mais da metade das mortes oficiais, teve um pequeno aumento no número de pacientes que foram internados em cuidados intensivos.

;Os números estão melhorando;, reconheceu o assessor da Saúde da Lombardia, Giulio Gallera. ;Nossos hospitais estão começando a respirar;, disse à imprensa.

O vírus, no entanto, gerou um colapso no sistema de saúde e foi responsável por um forte golpe. A terceira economia da União Europeia, que exige um plano continental excepcional para conseguir se recompor, espera aliviar os efeitos do coronavírus. Calcula-se que a interrupção repentina do turismo, uma das principais fontes de renda no país, causou uma perda de 45% no lucro anual dos hotéis e restaurantes.

A Itália, o primeiro país da Europa a ordenar a suspensão total das atividades econômicas, em 12 de março, com exceção das farmácias e supermercados, teve que estender o estrito confinamento até 13 de abril.

As autoridades italianas alertaram que o país voltará a funcionar aos poucos e que algumas parcelas da população deverão permanecer mais semanas confinadas. A Confederação das Indústrias, a Confindustria, calcula que a produção do país terá uma redução de 6% caso a pandemia continue atingindo a Itália em maio. Cada semana de confinamento representa uma redução de 0,75% no PIB do país, segundo a entidade.

Alívio
Os últimos dados oficiais na Alemanha, que mostram desaceleração da propagação do novo coronavírus, dão ;um pouco de esperança;, afirmou a chanceler Angela Merkel, ontem, ressaltando que ainda é cedo, porém, para suavizar as restrições.

;É fato que os dados do Instituto Robert Koch, embora sejam altos, oferecem uma esperança prudente;, declarou a chanceler em seu pronunciamento semanal, destacando, contudo, que é ;muito cedo; para suavizar as medidas restritivas adotadas até agora para conter a propagação do coronavírus.

;Vemos como a propagação do vírus diminui... Está funcionando;, declarou em entrevista coletiva. Nos últimos dias, alguém com o vírus contamina uma pessoa em média, uma ;taxa de reprodução; que parece se estabilizar. Nas últimas semanas, 5 a 7 pessoas eram infectadas por um único portador do vírus.




Trump quer todos de máscara
No dia em que os Estados Unidos registraram o recorde de 1.480 mortos, o presidente Donald Trump anunciou, ontem, novas recomendações do governo para que todos os americanos usem máscaras ao saírem às ruas para conter a disseminação do novo coronavírus. Trump disse durante coletiva de imprensa na Casa Branca que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) encoraja as pessoas a usar qualquer cobertura facial, como echarpes, com esta finalidade, e manter as máscaras cirúrgicas livres para os profissionais de saúde. ;Vai ser realmente uma coisa voluntária;, ressaltou. ;Vocês não precisam fazê-lo e eu estou escolhendo não fazê-lo, mas algumas pessoas podem querer fazê-lo e tudo ok;, acrescentou. A Covid-19 já matou 7.406 e infectou 276.995 nos Estados Unidos.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação