OMS e a cloroquina

OMS e a cloroquina

postado em 27/05/2020 00:00
Mais um ingrediente foi colocado no debate sobre a conveniência ou não do uso da hidroxicloroquina no combate à pandemia do novo coronavírus, como prega, sistematicamente, o presidente Jair Bolsonaro ; ele também é ardoroso defensor da utilização da cloroquina em pacientes com a covid-19. Agora, a Organização Mundial da Saúde (OMS), criticada com frequência por Bolsonaro por indicar o isolamento social como forma mais eficaz de enfrentamento à pandemia, suspendeu estudo global envolvendo 17 países, inclusive o Brasil, sobre a eficácia do medicamento.

A decisão foi do colegiado do organismo internacional, composto por representantes de 10 países, e baseou-se em estudo divulgado, na semana passada, pela revista britânica Lancet, uma das mais influentes publicações científicas do mundo. A pesquisa constatou que o uso da hidroxicloroquina ou cloroquina em pacientes com coronavírus aumenta o risco de morte e de cardiopatias.

A suspensão da pesquisa capitaneada pela OMS se deu dias depois de o Ministério da Saúde, pressionado pelo Palácio do Planalto, recomendar a prescrição da cloroquina ; remédio usado contra a malária e doenças autoimunes ; para pacientes em estágio inicial da covid-19. Contra todas as indicações científicas, o Brasil passou a adotar, oficialmente, no protocolo de tratamento da covid-19, a cloroquina, o que não é recomendado pela esmagadora maioria da comunidade médica.

Recomendação que tinha provocado a queda de dois ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, por não concordarem com a indicação da droga como salvadora da pátria. Como médicos, sabiam que não havia comprovação sobre os benefícios do medicamento e dos riscos que representa para os enfermos. Depois da indicação do Ministério da Saúde, Mandetta acredita que o número de mortes deve aumentar. Teich, por sua vez, crê que o protocolo federal da cloroquina deve ser revisto, após a publicação do estudo na revista britânica.

Em seu comunicado, a OMS revela que o ensaio clínico internacional, envolvendo 3,5 mil pacientes com covid-19 de 17 países, está suspenso até que se tenha ;uma análise abrangente e uma avaliação crítica de todas as evidências disponíveis globalmente;. Espera-se que, à luz da ciência e das pesquisas, o governo possa voltar atrás, mesmo que temporariamente, em sua iniciativa favorável à prescrição da cloroquina e aguarde uma decisão final sobre a eficácia ou não do medicamento.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação