Profissional de saúde é xingada no HRC

Profissional de saúde é xingada no HRC

Morador que gravava live no Hospital de Ceilândia foi repreendido pela servidora por criticar o tratamento a pacientes com a covid-19

» ADRIANA BERNARDES » MATHEUS FERRARI Colaborou Darcianne Diogo
postado em 14/06/2020 00:00

Críticas com relação ao atendimento no Hospital Regional de Ceilândia (HRC) levaram a uma discussão entre uma profissional da unidade de saúde e um paciente. O fluxo do pronto-socorro foi adaptado para receber pacientes com covid-19 na região administrativa que lidera o número de casos e de mortes pela doença no Distrito Federal. Insatisfeito, o homem gravava uma live com as reclamações quando foi repreendido pela profissional e começou a xingá-la. A Secretaria de Saúde emitiu nota de repúdio à atitude do morador.

Tácio Rogério, 46 anos, foi até o hospital na noite de terça-feira, de onde gravou a live. No vídeo, ele reclama da adaptação feita pela secretaria para encaminhamento de pacientes com coronavírus à unidade. ;Agora é só covid. Só covid. É lamentável essa situação. Os moradores de Ceilândia merecem respeito. E queremos nosso pronto-socorro de volta. Para amanhã. Para ontem. Não é para daqui a 60 dias, não;, diz no vídeo.

A profissional de saúde, então, surge paramentada com equipamentos de proteção individual (EPIs). ;Entra lá para você ver a situação da covid;, afirma. O homem rebate: ;Eu já sei;;. A profissional segue contestando a postura do homem, que permanece gravando tudo. ;Entra lá para você ver, seu irresponsável. Sai daqui;, esbraveja ela. O homem segue a discussão: ;Tira o dedo da minha cara. Me tira daqui se a senhora for mulher;.

Tácio, que no vídeo afirma ser morador de Ceilândia, então, xinga a profissional: ;Sua louca, doente;. Em seguida, ele volta a contestar as mudanças no HRC para suporte em casos de covid-19. ;Só está morrendo gente de covid? O Hospital de Samambaia não tem pronto-socorro. Por que não levaram para lá?;, afirma, antes de voltar a gritar com a profissional de saúde. ;Vai se internar. Arruma um psiquiatra para essa mulher. Sua petista. Sai daqui, pão com mortadela. Prefiro ser Bolsonaro do que uma petista;, afirma.

Mudanças
O presidente do Sindicato dos Médicos do Distrito Federal, Gutemberg Fialho, lamentou o ocorrido. ;A população está sofrendo muito com tudo isso. Os profissionais de saúde trabalham no limite, sobrecarregados pela quantidade de pacientes, condições inadequadas de trabalho;, disse. Para ele, parte da responsabilidade é do GDF. ;Faltou comunicação em massa para a população entender as mudanças de atendimento nos hospitais em função da pandemia. Isso não foi feito de forma eficiente;, criticou.

Em nota, a Secretaria de Saúde declarou que ;repudia toda e qualquer forma de desrespeito e ameaças dirigidas a seus profissionais que arriscam suas vidas e colocam em risco a vida dos seus familiares para estarem na linha de frente da luta diária por uma saúde pública digna para a nossa população e, em especial, diante dessa pandemia e seus grandes desafios;. O vídeo foi encaminhado ao Departamento Jurídico da pasta e às autoridades policiais.

Sobre as estratégias para o novo fluxo de funcionamento do pronto-socorro do HRC, a secretaria defendeu que as ações visam dinamismo no atendimento da população da região, para diagnóstico e tratamento para a covid-19. Reforçou ainda que em nenhum momento o pronto-socorro da unidade de saúde permaneceu fechado, mas, sim, em transição.

Ao Correio, Tácio Rogério afirmou que havia ido à unidade de saúde para reclamar da falta de médicos. ;Não estava fazendo nada para o Bolsonaro, mas para a população. Moro há mais de 40 anos em Ceilândia e essa foi uma demanda da população, que está cansada do caos na saúde pública;, disse. Segundo ele, a profissional de saúde desceu de uma ambulância em que estava um paciente com covid-19. ;Ela veio querendo me pegar e me bater e, claro, não deixei;, relatou. Ele alega que também foi xingado e que o vídeo que circula nas redes sociais sofreu edição.

A reportagem entrou em contato com a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) para verificar se a apuração do caso teve início, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

Casos
Ceilândia ainda é a cidade com maior número de contaminados, com 2.621 diagnósticos de covid-19. O Plano Piloto aparece em segundo lugar, com 1.732 casos, e, em terceiro, Taguatinga, com 1.505. Samambaia ocupa a quarta posição, com 1.297 infectados.

O DF registrou mais nove mortes por covid-19 ontem. O total chega a 265. Já o número de contaminados subiu para 21.959. Desses, 12.483 representam pessoas curadas da doença, ou seja, são 9.183 casos ativos, de acordo com boletim mais recente da Secretaria de Saúde.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação