Muito a ser esclarecido

Muito a ser esclarecido

Denise Rothenburg
postado em 19/06/2020 00:00
Passadas as primeiras 24 horas da prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), a primeira estratégia política dos aliados do presidente Jair Bolsonaro será de ;contenção de danos;, ou seja, tentar colocar o caso no seu ;cercadinho; ; não no do Alvorada, que deve ser desfeito nos próximos dias. É trabalhar um discurso que deixe o caso restrito ao Rio de Janeiro, à Assembleia Legislativa do estado, de forma a não contaminar o mandato de senador.

A estratégia não será tão simples de ser colocada em prática. Isso porque, embora o caso Queiroz seja antigo, o fato de o ex-assessor ser preso numa casa do advogado Frederick Wassef, amigo de Jair Bolsonaro e advogado de Flávio Bolsonaro, é um desgaste político que põe a história na porta do Palácio da Alvorada.

Até aqui, os Bolsonaro trataram de manter o maior distanciamento possível de Queiroz. Por isso, a presença de Wassef na história preocupa. Não é crime hospedar ninguém, Queiroz não era foragido. Porém, quando se trata do advogado de um senador que diz não ter a menor informação ou contato com o ex-assessor, várias perguntas surgem entre deputados e senadores.

Há muito a ser esclarecido nos próximos dias. Primeiro, é preciso saber se o advogado informou ao presidente e a Flávio que Queiroz estava num imóvel de sua propriedade. Se não informou, não seria o caso de quebra de confiança? Se informou, por que eles negavam saber onde estava o ex-assessor? Além disso, com tantas pessoas que poderiam abrigar Queiroz, por que justo um amigo do presidente e advogado de seu filho, o senador Flávio?

As primeiras 24 horas passaram sem que essas questões fossem respondidas. Diante disso, a política trabalhará com os elementos de que dispõe. Os aliados querem blindar o presidente, ou seja, o caso Queiroz é antigo e não se trata de algo ligado diretamente ao mandato de Flávio, tampouco diretamente à Presidência da República. A oposição discorda e fará o possível para colocar o chefe do Executivo no olho desse furacão.

Resta saber se o cercadinho vai segurar o desgaste político que chegou à porta do Alvorada. No gabinete de Flávio, avaliam alguns, já entrou. Afinal, ou houve quebra de confiança entre cliente e advogado ; que hospedou um ex-assessor investigado sem informar ao senador Flávio ;, ou Queiroz estava lá com o conhecimento do senador, que negava ter qualquer informação sobre o ex-assessor.

Juridicamente, isso pode não significar nada. Mas, politicamente, é mais um ingrediente apimentado no caldeirão de tensões que se vive em Brasília. A oposição vai explorar e misturar tudo o que os aliados tentam colocar em estações separadas para, se possível, administrar a cada dia a sua aflição.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação