Brasília-DF

Brasília-DF

por Denise Rothenburg » deniserothenburg.df@dabr.com.br
postado em 04/07/2020 00:00
É só o começo
O PSDB avalia, internamente, a ação da Polícia Federal que atingiu o senador José Serra (SP) como um ponto fora da curva e relacionada à ;velha guarda; do partido. Nada a ver com a nova geração que, hoje, representa uma promessa dentro da legenda. Porém, é a primeira grande operação sobre o braço político do PSDB de São Paulo, e há quem diga que outras virão. Nesse sentido, a ordem é tratar de blindar os tucanos que, agora, chegam à ribalta. A tensão, que fazia parte da agenda dos políticos do Rio de Janeiro, por exemplo, agora se instala entre os paulistas.
Em tempo: a intenção de parte dos tucanos, de debitar o desgaste na ;velha guarda; e na briga interna do Ministério Público, não vai vingar. José Serra é um dos principais quadros de gestão do PSDB, recebeu todo o apoio do partido até aqui e não deve ser atirado ao mar. Da mesma forma, a briga entre a força-tarefa da Lava-Jato e a cúpula da Procuradoria-Geral da República não visa deixar de lado as investigações em curso. Portanto, há quem diga que é melhor o partido se preparar para administrar esses desgaste à porta das eleições municipais.

Pano de fundo...

A dificuldade do presidente Jair Bolsonaro em encontrar um ministro da Educação abriu uma guerra entre seus apoiadores. Os militares procuram convencer o chefe do Executivo a escolher um nome que dê tranquilidade a um setor e faça funcionar. Em plena pandemia, a Educação vive um momento de cada um por si, sem coordenação.

; sem solução

O bolsonarismo mais radical põe o pé na porta e pede um ministro conservador. Até o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) deu palpite. Embora diga que a decisão é exclusiva do presidente, reforça em suas redes sociais que o ;escolhido só não deve ser um ideologicamente neutro, tem que ser um conservador de raiz;. Enquanto isso, os mais radicais xingam até os ministros militares. Essa briga vai até o fim do governo.

"Nós, o Brasil, pelos equívocos, principalmente, do presidente da República e de vários governadores, perdemos a guerra para a covid-19;
Do deputado Júlio Delgado (PSB-MG)

Gesto político I

O veto do presidente Jair Bolsonaro ao uso de máscaras em templos e no comércio não terá efeito, porque a legislação está nas mãos dos governadores e prefeitos. Bolsonaro já sabia disso, mas quer manter o seu discurso de não usar o acessório e também fazer um gesto aos pastores.

Gesto político II

Além de mudar o nome do Bolsa Família para Renda Brasil, o governo quer dar uma incrementada no pagamento, para marcar essa transformação. O novo benefício social deve ficar em R$ 100. A aposta dos políticos é de que continuará conhecido no futuro como o ;dinheiro do Bolsonaro;.
Flávio no ataque.../ O senador Flávio Bolsonaro (foto) partiu para cima de seu suplente no Senado, Paulo Marinho. Sacou perguntas e expressões do tipo ;há tiazinha de pulôver; que quer ser ;senador no tapetão?; E que ;tem imóvel em nome de laranja e paga aluguel para ele mesmo?;, escreveu Flávio em seu Twitter.

; para desespero da família/ Há quem jure que o presidente Jair Bolsonaro não gostou dos ataques de 01 a Marinho. O momento é de tentar manter a calma e apresentar o serviço do governo, e não de buscar confusão nas redes sociais.

Vergonha nacional/ As imagens do ;liberou geral; nos bares do Leblon, no Rio de Janeiro, expuseram as diferenças sociais: garçons de máscara, e os jovens de classe média alta sem qualquer cuidado, filhos do triste ;mundinho; carioca, que se acha acima do bem e do mal.

Vida nova/ Enquanto essa parte da elite carioca se aglomera sem máscara nos bares do Leblon, uma outra parte deixou a cidade. Uma chácara de orgânicos que, em março, comercializava 30 cestas de hortaliças por semana, agora vende 400. Muitos planejam ficar por lá, distantes das aglomerações.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação