Bolsa não segura os 100 mil pontos

Bolsa não segura os 100 mil pontos

Rosana Hessel
postado em 10/07/2020 00:00
 (foto: Nelson Almeida/AFP)
(foto: Nelson Almeida/AFP)


O clima de incerteza prevaleceu na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) ontem, apesar de o Índice Bovespa testar o patamar de 100 mil pontos pela primeira vez em quatro meses durante poucos minutos. O dólar, após abrir em queda e chegar a R$ 5,24, terminou o dia em baixa de 0,21%, cotado a R$ 5,338 para venda.


IBovespa começou em alta e rompeu a barreira de 100 mil pontos, mas não conseguiu se sustentar nesse patamar por cinco minutos. Depois de oscilar bastante ao longo do dia, o indicador encerrou o pregão em 99.210 pontos, com queda de 0,56%.


Declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, sinalizando que pode não haver novos cortes na taxa básica de juros (Selic), devido à volta de pressões inflacionárias, com dados da atividade melhores do que o esperado, contribuíram para a queda da B3 logo após a abertura.


Em entrevista à Reuters, Campos Neto disse que a inflação ;está um pouco acima das expectativas;. Hoje, sai o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial e a estimativa do mercado é de alta de 0,30%.


A ameaça de fundos internacionais de desistirem do Brasil, caso o governo não adote políticas claras para reduzir as queimadas na Amazônia também deixou o mercado tenso.


O cenário externo também não colaborou. Os Estados Unidos, superaram a marca de 3 milhões de contaminados pela covid-19. E o presidente Donald Trump foi obrigado pela Suprema Corte a apresentar demonstrações tributárias e financeiras para a procuradoria de Nova York.


;Ainda há muita incerteza por causa da covid-19. Os EUA continuam sendo o epicentro da pandemia;, destacou Erica Santos, analista do banco digital Modalmais. Para ela, o número de pedidos de seguro-desemprego nos EUA, apesar de terem caído, ;continuam elevados;, como sinal de que a retomada será lenta.


Na avaliação de Erica Santos, não há certeza se a volta da B3 aos 100 mil pontos veio para ficar. ;A economia está começando a reabrir e, se os casos de contágio continuarem crescendo em um ritmo forte, a bolsa não conseguirá se manter nesse patamar;, afirmou. ;Os temores sobre uma segunda onda vão começar a ser incluídos no cálculo. Por enquanto, há muito otimismo, mas sabemos que a recuperação da economia vai ser lenta;, destacou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação